sábado, 16 de outubro de 2021

Especialistas projetam que o preço da conta de luz vai triplicar em 2022

 


O Globo - A medida anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro, na quinta-feira, de determinar ao Ministério de Minas e Energia (MME) a volta da “bandeira normal” nas contas de luz pode gerar um aumento maior que o previsto nas tarifas de eletricidade em 2022.





Cálculos da PSR, uma das consultorias mais renomadas do setor elétrico, indicam aumento de 5% na energia elétrica no próximo ano.

A projeção é considerada conservadora, pois engloba a alta do dólar e o custo que ainda não foi integralmente coberto de acionar usinas termelétricas, mas não inclui, por exemplo, o aumento dos combustíveis que são usados nestas usinas, como gás e diesel.

Caso a bandeira de Escassez Hídrica seja cancelada, o reajuste esperado para 2022 pode até triplicar




Reunião na próxima semana

Como o país está gerando energia a um custo maior, o valor que não está sendo coberto pelas tarifas seria repassado para o próximo ano e faria parte do cálculo do reajuste anual das distribuidoras. A chamada bandeira da crise hídrica representa uma sobretaxa de R$ 14,20 a cada cem quilowatts-hora consumidos e seguiria em vigor até abril.

O Ministério de Minas e Energia tem reunião marcada para a próxima semana com representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e distribuidoras de energia para discutir o assunto.



Segundo técnicos do ministério, apesar do pedido do presidente, não seria viável tirar a sobretaxa na conta de luz neste momento.

O sistema de bandeiras foi criado justamente para sinalizar ao consumidor que a energia está sendo gerada a um custo maior. Ao antecipar essa fatura, ela inibe reajustes muito altos de uma única vez. Neste caso, também estimula a redução de consumo.

Não é só falta de chuva: Entenda como o Brasil está, de novo, à beira de um racionamento




Simulações disponibilizadas pela PSR indicam que, sem a bandeira, a conta poderia subir até 17,3%, se não houver qualquer tipo de cobrança extra até abril.


0 comentários:

Postar um comentário