GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

quarta-feira, 30 de junho de 2021

Procuradoria da República no DF fará investigação criminal contra a Covaxin


 As negociações para compra da Covaxin serão objeto de A fundamentação para o pedido foi a “temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde”.


Com informações do G1 criminal por determinação da Procuradoria da República no Distrito Federal.

A decisão foi tomada pelo 11º Ofício de Combate ao Crime e à Improbidade Administrativa da PR-DF, pela procuradora Luciana Loureiro.

A fundamentação para o pedido foi a “temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde”.

Com informações do G1

Bolsonaro sabia desde outubro de problemas envolvendo servidor que negociou propina da AstraZeneca

     


 UOL  -Tanto o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Eduardo Pazuello tinham conhecimento de problemas envolvendo a atuação do servidor Roberto Ferreira Dias.



Foi ele, exonerado ontem, quem assinou um contrato no valor de R$ 133,2 milhões com a empresa Life Technologies Brasil Comércio e Indústria de Produtos para Biotecnologia Ltda, para aquisição de 10 milhões de kits de insumos para testes de Covid-19.

O contrato foi anulado após a irregularidade ser informada ao TCU. Tratava-se de uma operação que não dependia de licitação.

Foi esse episódio que propiciou o recuo do governo na indicação do nome de Roberto à Anvisa.




VÍDEO: Após ser chamado de bandido, Aziz rebate Bolsonaro: “Pare de falar com o espelho”

       

 DCM -Nesta quarta-feira (30), o presidente da CPI do Genocídio, senador Omar Aziz (PSD-AM), reagiu à declaração do presidente Jair Bolsonaro contra os sete titulares da comissão que compõem o bloco independente e de oposição.


“Presidente, pare de olhar no espelho e falar com ele. Quando a gente fala com o espelho, dá nisso”, declarou o senador após o mandatário dizer que a CPI é “integrada por sete bandidos”, em referência direta ao chamado “G7”.


“O presidente não explicou ainda para quem ele mandou investigar o caso Covaxin, mas, de uma forma repetitiva, ataca membros dessa CPI chamando de ‘bandidos’ e outros adjetivos. Ele não deu nenhum adjetivo ao deputado Miranda, que o acusou de prevaricação”, disse ainda.


Em evento realizado nesta quarta, Bolsonaro disse que “não conseguem nos atingir”. “Não vai ser com mentiras ou por CPI integrada por sete bandidos que vão nos tirar daqui”, afirmou.

Confira abaixo:

 

VÍDEO – Joice, Kim e parlamentares de esquerda protocolam superpedido de impeachment

 


Bolsonaristas arrependidos, como Joice Hasselmann e Kim Kataguiri, além de parlamentares de esquerda protocolaram o superpedido de impeachment.


Veja:


'Superpedido' de impeachment é apresentado na Câmara dos Deputados
517
154
Compartilhar este Tweet


Deputado Fábio Trad pede a Kassab que PSD desembarque do governo Bolsonaro ‌

       


 Congresso em Foco  -Vice-líder da bancada na Câmara, o deputado Fabio Trad fez, nesta quarta (30), um apelo ao presidente do partido, Gilberto Kassab, para que a legenda se afaste definitivamente de Bolsonaro.



Para ele, não há comparação entre as acusações feitas contra Bolsonaro e as que resultaram no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. No caso de Dilma, observou, o questionamento era sobre uma manobra orçamentária. Agora, destacou, as denúncias são de crime, tanto em relação ao comportamento do presidente diante da pandemia quanto à suspeita de que o Bolsonaro prevaricou, ao não determinar investigação de um esquema de corrupção na compra de vacinas.


“O Ministério da Saúde é a Petrobras de Bolsonaro”, disse Trad.

Participante da reunião em que negociou-se propina abriu empresa de venda de medicamentos um dia antes

         


 Folha de S.Paulo-Marcelo Blanco da Costa, um dos participantes da reunião onde, de acordo com a denúncia do empresário Luiz Paulo Dominguetti Pereira, negociou-se a propina de US$ 1 por dose de vacina AstraZeneca, abriu a abriu a empresa Valorem Consultoria em Gestão Empresarial, em Brasília.



De acordo com o informado à Receita Federal, a empresa atuaria nos ramos de comércio de medicamentos, cosméticos e produtos de perfumaria, além de materiais odonto-médico-hospitalares.

Marcelo Blanco da Costa era assessor no departamento de logística do ministério e atuava sob o comando de Roberto Ferreira Dias, funcionário que foi exonerado ontem do Ministério da Saúde após a denúncia e é coronel da reserva.

CPI da Covid: Aziz marca depoimento de representante que denunciou propina para sexta

 


Metrópoles-O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), definiu uma data para o depoimento de Luiz Paulo Dominguetti Pereira, suposto representante da Davati Medical Supply, que denunciou ter recebido proposta de pagar propina de US$ 1 dólar por dose de vacina de um diretor do Ministério da Saúde. Segundo o senador, a oitiva ocorrerá nesta sexta-feira (2/7).



“Denúncia forte. Vamos convocar o senhor Luiz Paulo Dominguetti Pereira para depor na CPI da Covid na próxima sexta-feira, dia 02/07″, publicou o senador.



Denúncia forte. Vamos convocar o senhor Luiz Paulo Dominguetti Pereira para depor na #CPIdaPandemia na próxima sexta-feira, dia 02/07.
14,2 mil
1,8 mil
Compartilhar este Tweet


A tendência, portanto, é de que o requerimento de convocação de Pereira seja votado já nesta quarta (30/6) – dia que o colegiado destinou para a apreciação de requerimentos de quebras de sigilos e convocações. Entre os pedidos pautados está a convocação do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-SC), pivô das denúncias de irregularidades nas compras de vacina pelo governo federal.

O requerimento de convocação já foi apresentado, conforme informado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). “Brasileiros morrendo de Covid e bandidos atrás de vantagens ilícitas. Precisamos apurar tudo. A CPI segue avançando”, enfatizou.




Wizard decide se calar na CPI e praticamente confessa sua culpa


 Brasil 247
- O bilionário bolsonarista Carlos Wizard, acusado de fazer parte do gabinete paralelo que orientava Jair Bolsonaro com informações negacionistas no enfrentamento à pandemia, usou o direito assegurado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) para não prestar depoimento à CPI da Covid.

“Feitos esses esclarecimentos, doravante, vou permanecer em silêncio”, disse o empresário logo após utilizar os 15 minutos de que dispunha para sua explanação inicial. 



Após o anúncio de que ficaria em silêncio, os senadores disseram que fariam todas as perguntas que estavam programadas. A partir daí, as respostas de Wizard foram todas de que não mais falaria aos parlamentares: “me reservo ao direito de permanecer em silêncio”.

Luis Miranda confirma que recebeu oferta de 6 centavos de dólar por vacina para ficar quieto

      


 Brasil 247
- O deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) afirmou na manhã desta quarta (30) que um lobista ligado ao líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), lhe ofereceu seis centavos de dólar por unidade da vacina indiana Covaxin para que ele não denunciasse o esquema de corrupção envolvendo o imunizante. A entrevista foi concedida à Revista Crusoé e publicada pelo site O Antagonista

"Eu estava indo para o carro, e o cara fala: 'Deputado, se puder ajudar a gente com a questão da vacina, consigo colaborar com você, com a sua campanha, com 6 centavos de dólar por unidade’. Aí eu falo assim: 'Está ficando louco, meu irmão? Não estou entendendo o que você está falando. Se você falar isso novamente, vou ter que te dar voz de prisão’. E ele diz: ‘O que é isso deputado, estou falando com o empresário… O senhor também não é empresário?'. E eu digo: 'Não, amigo. Eu sou parlamentar, não trabalho com vacina, como você quer que eu te ajude?’. Aí ele diz: 'Então esquece. Se o senhor se incomodou, se eu lhe ofendi, então esquece'. E deu um sorriso. Eu olhei para ele com cara de quem comeu e não gostou e fui embora", disse.

Emails também comprovaram que o Ministério da Saúde negociou oficialmente a venda de vacinas com representantes da Davat Medical Supply. Um representante da empresa disse ter recebido um pedido de propina de US$ 1 por dose em troca de assinar um contrato



O deputado pelo DEM-DF denunciou publicamente a corrupção envolvendo a compra do imunizante indiano. Segundo Miranda, Barros esteve envolvido nas negociações para a importação da Covaxin. A compra da vacina foi a única para a qual houve um intermediário e sem vínculo com a indústria de vacina, a empresa Precisa. O valor foi 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela fabricante. Barros negou ter participado das negociações.

Miranda afirmou ter enviado a um secretário de Bolsonaro mensagens com os alertas de uma possível corrupção no ministério.



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também identificou irregularidades no processo de importação da vacina, como problemas na nota fiscal de importação e a falta de certificados de eficácia, segurança e qualidade nos padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Anvisa também enviou um ofício ao Ministério da Saúde dizendo ter sido pressionada pela Precisa com o objetivo de aprovar a vacina