GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

terça-feira, 31 de julho de 2018

Recorde: 65 milhões de pessoas estão sem ocupação no Brasil

O dado mostra crescimento de 1,2% sobre o trimestre anterior e é recorde na série iniciada em 2012, fazendo a desocupação ser a maior da história
O número de pessoas sem ocupação ou sem procurar emprego chegou a 65 ,6 milhões de pessoas no segundo trimestre de 2018, segundo a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD), divulgada nesta terça-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado mostra crescimento de 1,2% sobre o trimestre anterior e é recorde na série iniciada em 2012.Para o IBGE, desocupados são pessoas em idade para trabalhar, mas que desistiram de procurar emprego. A situação, chamada tecnicamente de desalento, acontece quando a pessoa deixa de procurar emprego após 3 semanas sem ocupação.
Já o número de ocupados chegou a 91,2 milhões de pessoas, uma alta de 0,7% em relação ao trimestre anterior. Nesses 3 meses foram criadas 675 mil vagas de trabalho – a maioria delas, informais. Também segundo a PNAD, ao menos 40% dos 91,2 milhões de ocupados estão em vagas informais. Isso significa dizer que 37 milhões de brasileiros têm ocupação precária.
Esses dois movimentos ajudaram a baixar a taxa de desemprego oficial. Na passagem do primeiro para o segundo trimestre, a taxa caiu de 12,6% para 12,4% Na comparação com o segundo trimestre de 2017, a queda foi de 0,6% – no segundo trimestre de 2017, a taxa era de 13%
“Aumento da população ocupada, com base na informalidade e na geração de vagas no setor público, ajudou na queda do desemprego. Por outro lado, o aumento das pessoas que deixaram de procurar emprego, por motivos que desconhecemos ainda, também ajudou a baixar a taxa”, afirmou o coordenador de Trabalho e Renda do IBGE, Cimar Azeredo.

Jair Bolsonaro foi ao Roda Viva e tirou seu fascismo do armário

Jair Bolsonaro foi ao Roda Viva na noite desta segunda (30) e tirou seu fascismo do armário. Assustou os que não tinha visto ainda suas performances em debates. Foi tudo o que se esperava, mas surpreendeu por sua competência discursiva. Com Geraldo Alckmin empacado e vestindo a carapuça de candidato do golpe (aqui), o capitão reformado é mais favorito que nunca para estar no segundo turno contra Lula ou o candidato indicado pelo ex-presidente. Se o cenário confirmar-se, a direita estará fora do segundo turno -será a vez da extrema-direita de tintas fascistas.
A coleção de frases de Bolsonaro é aterradora. Para ele, "não houve golpe militar em 1964", justificou a prática de tortura durante o regime militar, "vivíamos na guerra fria", disse que Vladimir Herzog teria se suicidado. Mais ainda, causou estupor ao anunciar que seu livro de cabeceira é "A Verdade Sufocada", de Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o mais terrível centro de torturas da ditadura, o DOI-Codi de São Paulo. A desfaçatez de Bolsonaro não parou por aí. Chegou a defender, abertamente, o fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso.
Acusou os negros pela escravidão no Brasil: "Os portugueses nem pisavam na África, eram os próprios negros que entregavam os seus negros". E reagiu a uma pergunta sobre a dívida do país com os descendentes dos escravos: "Que dívida é essa, meu Deus do céu?". Mais ainda: "“Eu nunca escravizei ninguém! Que dívida?”. 
Disse que a intervenção militar no Rio é um fracasso porque os militares não teriam carta branca para agir,  "não deu certo porque não tem retaguarda jurídica. Por que no Haiti deu? E por que só um lado pode atirar?". 
A bancada do Roda Viva, que rugiu como um leão com Manuela D'Ávila, do PC do B, miou como um gatinho diante do fascista. Os jornalistas estavam entre constrangidos e acuados. Ficaram todos emudecidos quando Bolsonaro reproduziu de cabeça um trecho de editorial de O Globo assinado por Roberto Marinho, que chamou o golpe militar de revolução democrática. Bolsonaro também lembrou que a TV Globo nasceu em 1965 logo depois do Golpe e a revista Veja em 1968. Todos ficaram quietinhos.
Afinal, a imprensa conservadora, ao lado do PSDB, é quem tirou o gênio da lâmpada -e agora tenta, em desespero, colocá-lo de volta. Será difícil. O Brasil segue a mesma polarização que perdura desde os anos 1990, entre a esquerda e a direita. Enquanto um dos polos permanece ocupado pelo PT, no o PSDB foi colocado para escanteio. Ao dar o golpe na frágil democracia brasileira, os tucanos foram para o ralo. Alckmin rasteja ao redor dos 5% nas pesquisas eleitorais. O espaço tradicional da direita (PSDB) foi sugado pela extrema-direita (Bolsonaro).
Alckmin, Centrão e Temer, um dos principais patrocinadores da candidatura do ex-governador, confiam que seu latifúndio no horário eleitoral gratuito poderá desbancar Bolsonaro. No entanto, quanto mais Alckmin veste o figurino de candidato do golpe, mais murcham suas chances. O que aconteceu ontem do ponto de vista da audiência é uma antevisão do inferno para a direita. O programa terminou sua transmissão no canal da emissora no YouTube no pico da audiência com 228 mil pessoas acompanhando a entrevista. Um recorde absoluto na história do Roda Viva. No Facebook, enquanto o programa era transmitido ao vivo, o número de visualizações chegou a 1,5 milhão. Na madrugada, já chegava a 1,8 milhão. O vídeo com a entrevista de Ciro Gomes, do PDT, o segundo candidato com maior audiência até então, tinha até ontem 1 milhão de visualizações, contabilizados desde que o programa com o pedetista foi ao ar, em 28 de maio. No Ibope, Ciro também tinha sido, até então, uma das maiores audiências com 1,1 ponto, o que corresponde a cerca de 220 mil pessoas. Pelas prévias do Teleguia, a entrevista de Bolsonaro terá cerca de 2 pontos. 
O professor Camilo de Oliveira Aggio, da Universidade Federal da Bahia, apresentou um resumo precioso do que aconteceu na noite desta segunda: "Ao contrário do que imaginavam (ou torciam) muitos, sua falta de inteligência e desinformação não são impeditivos para que ele se saia mal em debates e entrevistas. O cara consegue substituir toda sua escassez cognitiva com táticas de enfrentamento, estímulo à cacofonia e, com toda sua verborragia, ele consegue congelar os entrevistadores, que ficam estupefactos e recuam enquanto ele continua sempre dando a última palavra" -leia aqui o comentário completo no perfil do professor no Facebook.Quem se que se apresentou no Roda Viva foi Jair Bolsonaro. Mas a performance lembrou imediatamente a de outro que foi militar, o sargento de bigode ridículo que pensava e falava coisas muito parecidas com as que agora diz o capitão reformado do Exército Brasileiro.
Mais que nunca, o futuro da democracia brasileira repousa sobre os ombros de Lula.
Fonte: Brasil 247

Geraldo Alckmin se assume como candidato do mercado financeiro (e de Temer)

O pré-candidato à presidência, Geraldo Alckmin (PSDB), assumiu que é o candidato favorito do mercado financeiro nestas eleições. Em entrevista a uma rádio nesta segunda-feira (30), o tucano disse que, se eleito, impulsionaria o Ibovespa, principal índice da bolsa de valores no Brasil, para o patamar de 100 mil pontos.
"Se nós ganharmos a eleição, modéstia à parte, a bolsa vai para 100 mil pontos, vai ter investimento e o país volta a crescer", projetou durante entrevista à rádio BandNews FM.
"Eu vou reduzir o imposto chamado corporativo, que é o imposto de renda da pessoa jurídica, que é o que o Trump fez nos Estados Unidos. Com isso você estimula investimento", completou.

Fonte: Brasil 247

Bolsonaro apanha de jornal suíço e revida em jornal francês

Bolsonaro apanha de jornal suíço e revida em jornal francês
Jair Bolsonaro usou suas redes sociais para reagir duramente contra uma matéria publicada em tom crítico a ele no jornal suíço Tribune de Genève, que o chama de “machista, homofóbico e racista”. Só que errou o alvo e reclamou contra o jornal francês Le Monde, que também publicou uma matéria bem mais light sobre o presidenciável.
“O desespero, o baixo nível, a tentativa clara e suja sem se preocupar com esposa e filha. Os ataques internacionais também se intensificaram. Veja esta manchete de um dos principais jornais da França e do mundo. @lemondefr”, postou Bolsonaro.
“O desespero, o baixo nível, a tentativa clara e suja sem se preocupar com esposa e filha. Os ataques internacionais também se intensificaram. Veja esta manchete de um dos principais jornais da França e do mundo. @lemondefr”, postou Bolsonaro.

Mais um se recusa a ser vice de Bolsonaro: João Amoêdo

Outro que se recusa a se unir a Bolsonaro e ser seu vice, agora é o ex-banqueiro João Amoêdo, do partido Novo, as informações são do Rádio CBN
O Partido NOVO, ao qual ele é filiado, classificou a proposta como ‘impossível’. João Amoêdo é pré-candidato à presidência, e a sigla garante que o nome dele não será retirado da disputa.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

PT desmente fake-news da Globo: carta de Lula em apoio a Eunício é fake

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), acusou o jornalista do Globo Lauro Jardim de "fake news" por publicar que o ex-presidente Lula e o senador Eunício Oliveira (MDB-CE) teriam trocado cartas e que o pré-candidato à presidência teria confirmado apoio à candidatura do cearense.
"Lauro Jardim faz Fake News. Lula não enviou nenhuma carta de apoio à candidatura de Eunicio de Oliveira ao Senado da República pelo Ceará. Nem tampouco o PT decidiu apoiá-lo, nem o apoiará", postou Gleisi.
Neste fim de semana, os delegados da base do PT cearense decidiram, durante o Encontro Estadual de Tática Eleitoral, que o partido não vai indicar nenhum nome para compor chapa com o governador Camilo Santana (PT).

A intenção é liberar a vaga para que se permitam conversas entre Camilo Santana e o MDB do Estado, abrindo espaço para a candidatura de Eunício Oliveira ao Senado pela chapa.

Fonte: Brasil 247

Sem Lula livre não há democracia, diz Nobel da Paz

Após três dias de intensas atividades na Casa do Gaúcho e nos arredores, o 2º Fórum Latino-Americano do movimento social argentino La Poderosa foi encerrado neste domingo (29). Um evento que começou com uma marcha de abertura pela região central de Porto Alegre na sexta-feira (27), passou por debates sobre comunicação alternativa, feminismo e organizações de base no sábado (28), e conclui hoje com um torneio de futebol pela manhã, o “Resistidores da América”, e um painel que contou com a presença de um vencedor do Prêmio Nobel da Paz e dois pré-candidatos à presidência do Brasil.
O La Poderosa é um movimento que nasceu nas favelas de Buenos Aires, em 2014. O Fórum reuniu representantes das 79 localidades da Argentina e dos 11 países da América Latina em que em que está organizado, incluindo ao Brasil, onde o movimento pretende expandir sua presença a partir do encontro, e de diversos outros movimentos sociais. O debate de encerramento contou com as presenças e falas do argentino Adolfo Pérez Esquivel, premiado com o Nobel da Paz em 1980, da jurista carioca Carol Proner, dos pré-candidatos à presidência do Brasil Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB) e de Nacho Levy, representante do La Poderosa.
Em sua fala, Esquivel destacou o contexto semelhante que vivem Brasil e Argentina, sob governos que implementam políticas pró-mercado. “Temos que dizer não ao FMI e à mídia que são cúmplices do mercado, querem impor uma dívida imoral e ilegítima: quanto mais pagamos, mais devemos e menos”, disse. Ele também destacou que, no campo político, os movimentos de esquerda da América Latina precisam assumir a defesa do direito do ex-presidente Lula concorrer às eleições. “Sem Lula livre não há democracia, porque foi esse homem quem tirou 36 milhões de brasileiros da pobreza extrema. É por isso que eu o indiquei para o Prêmio Nobel da Paz, mas não para Lula ou para seu país, mas por toda a região. E quero falar sobre outro camarada, Fidel Castro Ruz, que teve uma visão profunda e uma grande confiança nos povos latino-americanos que lutam por sua liberdade. Essa luta, como tantas outras, está aqui, porque através deste Fórum abrimos as portas e as janelas para que a luz e a esperança de um novo continente possam entrar”, disse.

A jurista Carol Proner destacou classificou a prisão de Lula como o principal exemplo de injustiça e falta de respeito pelo processo legal e pela presunção de inocência. “Não podemos suportar as mentiras e a manipulação da Justiça com a mídia, nem deixar o legado de conquistas conquistadas até hoje descartadas, ou fora de uma agenda de construção e integração regional”, disse.

Manuela comparou a situação brasileira com a de outros países da região. “Quando dizemos ‘Lula livre’ e ‘Marielle presente’, estamos falando muito sobre o que ocorre em todo país atualmente. Quando falamos em Lula, é para também evitar o que pode ocorrer com Cristina, com Rafael na América Latina”, disse Manuela. “Precisamos de um novo caminho, um novo ciclo para nosso continente. Somente poderemos mudar a realidade com o povo no poder. Somente olhando o que fizeram as mulheres argentinas pela luta pela descriminalização do aborto. Só teremos mudança com mobilização social”.

E Boulos também analisou o momento sobre a ótica da imposição de uma agenda neoliberal na região. “Os novos golpes foram além de derrubar uma presidenta ou um presidente: eles também impuseram uma agenda de retrocessos em direitos sociais, reformas trabalhistas, aposentadorias e cortes nos orçamentos públicos. É a mais selvagem agenda neoliberal imposta para o povo, uma Justiça que intervém nos processos eleitorais, porque os golpes não ocorrem mais apenas com os militares na rua, mas nos tribunais, nos parlamentos e nos grandes grupos de mídia. Mas não vamos desistir, hoje no Brasil as bandeiras de Lula Livre e de justiça par Marielle são as bandeiras que sintetizam a luta democrática do povo. Portanto, devemos estar juntos sem qualquer concessão, pois isso nos tornará poderosos para inaugurar um novo ciclo de lutas, vitórias e deixados na América Latina “, disse Guilherme Boulos.

Ao final, o argentino Nacho Levy, liderança do La Poderosa, destacou que apesar de o contexto ser de avanço de uma “onda conservadora, fascista e golpista”, surge um arco íris que são as lutas por Marielle Presente e Lula Livre. “Graças a todo o movimento pluri nacional e popular para estes dias felizes, graças a Marielle pela dignidade, e graças a Lula pela liberdade, pela liberdade de nós e de nós”, afirmou ao final.

Fonte: Brasil 247

MBL, que é a favor do livre-mercado, pede por intervenção do Estado no Facebook

Atingido em cheio pela política de combate às notícias falsas do Facebook, o MBL jogou pela janela a bandeira do Estado mínimo e da livre iniciativa. O grupo encaminhou um mandado de junção ao Supremo Tribunal Federal no qual clama à Corte que determine uma intervenção estatal na rede social.
O MBL exige do STF regras para tornar claras e públicas as regras de remoção de conteúdo e retirar a decisão das mãos da empresas que criaram as redes. Segundo a peça redigida pelos advogados do movimento, a falta de regulamentação causa “insegurança jurídica”.
Trata-se de uma reação à decisão do Facebook de suspender 196 páginas e 87 perfis ligadas ao MBL e que integrariam, segundo a empresa, “uma rede coordenada com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”.

"É certo que os direitos constitucionais à liberdade de expressão e da soberania nacional foram profundamente abalados, merecendo melhor regulação a legislação que rege o tema, o que desde já se requer", anotam os advogados.

O texto acrescenta: “O ambiente democrático e a liberdade de expressão estão severamente ameaçados pelas práticas da empresa”. E refere-se a direitos à privacidade, liberdade de expressão e ao Marco Civil da Internet. "É cediço que o ordenamento jurídico brasileiro homenageia e garante o direito à liberdade de expressão e, por corolário, repulsa veementemente a censura", diz o mandado de injunção.

O MBL conta com uma outra frente na sua cruzada contra o Facebook. Na quarta-feira 25, Ailton Benedito, procurador de Goiás, pediu explicações à rede social.Em uma mensagem no Twitter, Benedito afirmou que a empresa promove o "Comando de Caça aos Conservadores (CCC)", referência à milícia que pregava a morte de militantes de esquerda nos anos 1960, o Comando de Caça aos Comunistas.

Fonte: Carta Capital

Ciro dificulta aliança, diz Haddad

O ex-prefeito Fernando Haddad avalia que algumas declarações de Ciro Gomes, candidato do PDT à presidência da República, dificultam a chamada unidade nas esquerdas. "Às vezes as declarações do Ciro de que é muito difícil uma aliança no primeiro turno dificultam as conversas. O PDT tem todo direito de lançar candidatura própria, assim como o PT está fazendo. Nenhum problema, mas às vezes a aliança fica mais difícil", afirmou Haddad neste domingo (29), em São Paulo. "Se o Lula fosse candidato, realmente tenho dúvidas se Ciro, Boulos e Manuela teriam colocado suas candidaturas. Com todo respeito a eles, mas duvido que isso aconteceria. Todo mundo estaria reunido em torno do Lula", disse Haddad, plano B do PT na eleição
 Leia mais aqui.

Meirelles diz que MDB, partido de Temer, tirou Brasil do fundo do poço

O pré-candidato à Presidência da República pelo MDB, Henrique Meirelles, disse neste sábado (28), durante convenção estadual, em São Paulo, que o partido “tirou o Brasil do fundo do poço”. “Não podemos voltar para trás, temos que seguir em frente”, disse.
Em fala curta, o ex-ministro ressaltou também a necessidade da criação de empregos e de mais segurança para quem já está trabalhando.
“Na Presidência da República, vamos construir um novo Brasil e impulsionar o País para o futuro. Um País onde todos tenham emprego e renda. Com oportunidade para todos viverem em paz”, afirmou.
Meirelles defendeu também a necessidade de haver mais recursos para a segurança e a saúde e a importância de “garantir a educação das crianças”.
Meirelles subiu ao palco ao som de um jingle de campanha, fazendo o sinal de positivo e o “V” da vitória. O ex-ministro da Fazenda ensaiou uns passos tímidos ao som do forró. Logo, Maria Aparecida Pinto, a Cidinha, candidata pelo MDB ao Senado e presente ao evento, tirou Meirelles para dançar.
Antes do discurso de Meirelles, o presidente do MDB paulista, Baleia Rossi, elogiou Meirelles e disse que o MDB “vai fazer campanha para o melhor candidato e que vai ganhar as eleições”.
Sobre Paulo Skaf, candidato ao governo do Estado, Rossi afirmou que “a vida inteira, ele se dedicou a ajudar as pessoas”. Ele ainda apresentou Cidinha, presidente do MDB Afro, como “uma mulher do povo e humilde e referiu-se a Marta Suplicy, que não está presente, como “grande senadora”.

domingo, 29 de julho de 2018

Lula dá a receita para acabar com a crise

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defende neste domingo, 29, em artigo publicado nos jornais nordestino Jornal do Commercio (PE), A Tarde (BA) e O Povo (CE), que só com dinheiro circulando na mão do povo haverá retomada verdadeira da economia do País. 
"Dinheiro na mão de rico fica parado no banco. Dinheiro na mão de pobre, movimenta a economia", escreveu Lula. 
Leia, abaixo, o artigo na íntegra:

Por um Brasil de todos, com mais emprego e inclusão

Por Luiz Inácio Lula da Silva

Toda a pessoa que tem um diploma da vida, como eu tenho, sabe que trabalhar, poder cuidar da família, é uma coisa sagrada que nos dá muito orgulho. Para podermos ter emprego e isso acontecer é preciso que a economia cresça, e o resultado desse crescimento seja distribuído de forma justa.

Para a economia crescer, o empresário tem que investir. Para o empresário investir, é preciso que o governo ofereça infraestrutura, um ambiente estável e políticas que favoreçam o crédito tanto para o investimento quanto o consumo.

O investimento vai gerar emprego na indústria, que vai pagar um salário que gera um consumidor, que faz o comércio vender e gerar outro trabalhador, na loja, que vai consumir também. É como se fosse uma roda gigante.

Quanto mais emprego e inclusão social, mais salário, mais consumo, mais arrecadação que permite mais investimento, com mais empregos. É o óbvio: dinheiro na mão de rico vira uma conta parada no banco. Dinheiro na mão de pobre, ele vai no mercado e movimenta a economia.

Por isso é fundamental o país recuperar sua capacidade de investir para ter um novo ciclo de crescimento. O Brasil foi um dos países mais promissores e otimistas do mundo, quando seguiu esse caminho que combina combate à pobreza com desenvolvimento da economia. Hoje o país vive um ciclo diferente. O governo atual reduz investimentos, gerando pobreza, desemprego e aumento nos custos da energia. A indústria e o comércio demitem. Dizem que a inflação está baixa, mas os pobres sofrem com o aumento do gás de cozinha e a classe média com o aumento na gasolina e nos planos de saúde. E é claro que a relação dívida/PIB piora, porque o PIB não cresce.

A reforma trabalhista conduz a empregos de pior qualidade, reduz a segurança do trabalhador, corta direitos. A reforma também vai dificultar a qualificação da mão-de-obra em um momento em que há cada vez mais tecnologia em qualquer setor da sociedade.

As próximas eleições são fundamentais para definir o caminho do país. Precisamos retomar os investimentos no futuro do Brasil, e esse futuro são os brasileiros que precisam voltar a ter emprego, oportunidades e sonhos. No meu governo, o povo parcelava a compra do carro e da casa própria. Agora, com Temer e o PSDB, parcela para encher o tanque de gasolina ou comprar um botijão de gás.

Retomada de economia de verdade será quando as pessoas voltarem a ter bons empregos com carteira assinada, a ter a chance de fazerem uma faculdade e comprarem uma casinha. Para isso acontecer, precisamos de governantes que acreditem no nosso povo.. Eu tenho certeza que é possível vencer a crise, porque eu já resolvi uma grave crise no Brasil uma vez e tenho certeza que posso, mais experiente, fazer isso de novo.

Fonte: Brasil247

Festival Lula Livre atrai multidão no Rio de Janeiro

Acompanhe, ao vivo, o festival Lula Livre, que reúne grandes artistas e milhares de pessoas, nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, em defesa da liberdade de Lula. Carlos Negreiros, Gang 90, Ana Canãs, Alba Maria, Gabriel Moura, Lisa Milhomem, Dorina são alguns dos cantores que já subiram ao palco para cantar e pedir a liberdade de Lula no Festival Lula Livre que acontece durante este sábado, 28 de julho, nos Arcos da Lapa, na cidade do Rio de Janeiro. Também a atriz Lucélia Santos subiu ao palco para ler um Manifesto assinado por artistas de todo país por Lula Livre, que aponto o erro jurídico que levou Lula à prisão sem provas. “Queremos liberdade já!” e “Inadmissível é impedir que Lula seja candidato”. enfatizou Lucélia. O povo em coro bradou: “Lula!”. Os shows continuam. São mais de 40 artistas se apresentando, cantando músicas que exaltam a liberdade.
Veja algumas fotos e ao vivo:




Fonte : Brasil 247

Cresce apoio a Lula vindo da Europa e dos Estado Unidos

O eurodeputado italiano Roberto Gualtieri, do partido Democrático da Itália e presidente da Comissão de Economia do Parlamento Europeu, esteve nesta quinta-feira (26/7), na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, para uma visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso há 113 dias em um processo sem provas. Gualtieri, representando o Bloco Social Democrata no Parlamento Europeu e o Partido Socialista Europeu, entregou a Lula mensagens de apoio dos parlamentares e de ex-presidentes do Conselho Italiano.
No mesmo dia, um grupo de 29 congressistas norte-americanos, incluindo o senador Bernie Sanders, que foi pré-candidato à presidência dos Estados Unidos,enviou carta ao governo brasileiro na qual denuncia a prisão política de Lula, com base em “acusações não comprovadas” em um julgamento “altamente questionável e politizado”. Os parlamentares defendem que ele responda ao processo em liberdade e afirmam que “a luta contra a corrupção não deve ser usada para justificar a perseguição de opositores políticos ou negar-lhes o direito de participar livremente das eleições”.
Em maio, o ex-presidente da França François Hollande e da Espanha José Luis Rodriguez Zapatero já haviam assinado documento em favor da libertação e candidatura de Lula nas próximas eleições. “O impeachment de Dilma Rousseff, eleita democraticamente por seu povo e cuja integridade nunca foi questionada, já era uma preocupação séria. A luta legítima e necessária contra a corrupção não pode justificar uma operação que questiona os princípios da democracia e o direito dos povos de eleger os seus governantes”, afirmam no texto. Também subscrevem o documento o ex-primeiro-ministro da Bélgica Elio Di Rupo, além de três ex-presidentes do conselho de ministros da Itália: Enrico Letta, Massimo DÁlema e Romano Prodi.
Da Espanha, a solidariedade ao ex-presidente também veio do Secretário Geral do Podemos e deputado, Pablo Iglesias. Ele se manifestou publicamente durante o encontro internacional “En Marcha 2019!”, enviando solidariedade ao povo brasileiro que está lutando contra uma ofensiva autoritária: Libertem Lula”.
Antes mesmo de sua prisão, Lula já estava recebendo o apoio de diversos políticos italianos de centro-esquerda, que assinaram um apelo contra a rejeição do pedido de habeas corpus, expressando “preocupação” com a democracia brasileira. Entre os políticos estavam: Romano Prodi, Massimo D’Alema, Susanna Camusso, Luigi Ferraioli, Marina Sereni, Piero Fassino, Lia Quartapelle, Luciana Castellina, Pier Luigi Bersani, Vasco Errani, Guglielmo Epifani, Gianni Tognoni; Roberto Vecchi. No documento, afirmavam: “Somos pessoas que vivenciaram a experiência do governo Lula e conseguimos apreciar as mudanças ocorridas naqueles anos, especialmente no nível social. Para convicções ideais e políticas, estamos próximos do povo brasileiro e de todas as forças do país.
Os apoios a Lula, vindos da Europa e dos Estados Unidos, somam- se a uma série de manifestações internacionais em que líderes veem expressando o absurdo de sua prisão por um crime sem provas, com o objetivo único de impedi-lo de concorrer nas eleições de outubro.

Um velho amigo de luta, José Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, foi até Curitiba para visitar Lula no cárcere. “Na realidade, a cabeça de Lula nunca poderá ser presa. Podem prender seu corpo, mas nunca seu coração. Sua cabeça e seu coração andarão pelos confins do Brasil”, disse Mujica na ocasião da visita. Outra visita presencial foi a do ator e embaixador da ONU para os direitos humanos e assuntos raciais, Danny Glover, que defendeu a libertação de Lula e afirmou: “Eu o apoio porque é o presidente do povo”.
Do Chile, a ex-presidente Michelle Bachelet assinou, junto a outros 42 dirigentes da esquerda de seu país, uma carta de apoio à candidatura presidencial do ex-presidente Lula. A carta foi dirigida ao Poder Judiciário brasileiro com “uma defesa pela democracia”, considerando que “eleição presidencial sem Lula como candidato poderá ter sérias impugnações de legitimidade”. Entre as personalidades da esquerda chilena que assinaram a carta, estão Maya Fernández, presidenta da Câmara de Deputados e neta do ex-presidente Salvador Allende.
A atual senadora e ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, enviou várias mensagens de solidariedade a Lula, destacando ser evidente que “as elites do poder, que nunca se interessaram pela justiça ou pela democracia, usam o aparelho judicial para sua proibição”.
Uma “canalhice vergonhosa”, assim o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, classifica a prisão de Lula. Em discurso pelo VTV (TV Venezuela) disse: “É um líder democrático, moral, um homem comprometido com o povo, que tirou 38 milhões de pessoas da pobreza no Brasil”, afirmou.
Pelo Twitter, políticos internacionais também se manifestam em defesa a Lula. O ex-presidente colombiano Ernesto Samper, em sua conta, denunciou o tratamento injusto e distorcido que Lula vem recebendo do poder judiciário brasileiro.
Também pela rede social, o deputado norte-americano da Califórnia, Ro Khana, do Partido Democrata, se posicionou contra a prisão de Lula: “Estou muito preocupado pelo fato de que o candidato à Presidência do Brasil líder das pesquisas, Luiz Inácio Lula da Silva, está preso no que parece ser um processo por motivações políticas”, pontuou.
O presidente boliviano Evo Morales por várias vezes publicou mensagens em apoio ao ex-presidente por meio do Twitter. “Os crimes de Lula são: ter sido presidente dos trabalhadores, estar do lado dos trabalhadores e dos pobres que são vítimas dos estados coloniais. A luta continua por Lula livre”.
A solidariedade sul-americana veio também do ex-presidente do Equador, Rafael Correa: “Companheiro Lula: podem prender nossos corpos, mas não nossos ideais. Venceremos”. Correa, assim como Lula, teve prisão decretada recentemente.
Além das lideranças políticas, mais de 300 acadêmicos e intelectuais renomados assinaram um manifesto para pedir a libertação do ex-presidente Lula. Entre os signatários, há nomes como o economista francês Thomas Piketty, a filósofa e ativista norte-americana Angela Davis e o filósofo esloveno Slavoj Žižek.
No manifesto, os intelectuais afirmam que Lula é um preso político e pedem para a comunidade internacional tratá-lo desse forma. Na petição, eles chamam o processo contra o ex-presidente de “kafkiano”.
Texto original do site do Lula

sábado, 28 de julho de 2018

Mulher de Moro abre empresa com acusado de cobrar milhões por acordo na Lava Jato

A esposa do juiz Sérgio Moro, Rosângela Wolff Moro, abriu uma empresa de palestras e cursos; Hzm2 Cursos e Palestras Ltda tem como atividade principal “treinamento em desenvolvimento profissional e gerencial”; entre os sócios está o advogado Carlos Zucolotto Júnior, acusado pelo ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran de o ter procurado pedindo US$ 5 milhões para facilitar um seu acordo de delação premiada; Zucolotto é padrinho de casamento de Rosângela e Sérgio Moro
 Sputinik A esposa do juiz da Lava Jato Sérgio Moro, Rosângela Wolff Moro, abriu uma empresa de palestras e cursos em janeiro deste ano.
A Hzm2 Cursos e Palestras Ltda foi registrada na Receita Federal em 4 de janeiro de 2018 e tem capital social de R$ 20 mil. A atividade principal da companhia é “treinamento em desenvolvimento profissional e gerencial” e sua atividade secundária são “serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas”.

A informação foi revelada pela Agência Pública.

Os sócios de Rosangela são outros três advogados: Carlos Zucolotto Júnior, Fernando Borges Mânica e Guilherme Henn.
O ex-funcionário e operador de propinas da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran já acusou Carlos de o ter procurado pedindo US$ 5 milhões para facilitar um seu acordo de delação premiada. Carlos é padrinho de casamento de Rosângela e Sérgio Moro.
Quando da denúncia, Moro saiu em defesa de Carlos Zucolotto Júnior e o classificou como um “advogado sério e competente”, que “atua na área trabalhista e não atua na área criminal”.
Segundo levantamento da Agência Pública, Sérgio Moro deu 22 palestras entre janeiro de 2017 e junho de 2018. Moro informou que recebeu cachê por sua participação em 4 oportunidades, mas não revelou o valor ganho.
Juízes não são proibidos de darem palestras. A resolução 226/2016 do Conselho diz que qualquer magistrado que desempenhe atividade docente “deverá ser comunicado formalmente ao órgão competente do Tribunal, mediante registro eletrônico em sistema por ele desenvolvido, com a indicação da instituição de ensino, do horário e da(s) disciplina(s) ministradas”.
No mesmo endereço da Hzm2 Cursos e Palestras, no bairro Bom Retiro em Curitiba, também está registrada a Zucolotto Sociedade de Advogados e o escritório de advocacia Vicente Paula Santos Advogados Associados. Vicente Paula Santos aparece como advogado do procurador da Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima em oito processos, afirma a Agência Pública.

Com informações também do Jornal GGN

Veja a denúncia de Tacla Durán sobre Zuccoloto:

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Desembargadora que compartilhou fake-news sobre Marielle defende MBL

A desembargadora Marília de Castro Neves, que divulgou informação falsa sobre a vereadora Marielle Franco, saiu em defesa do MBL por conta da decisão do Facebook de tirar do ar 196 páginas e 87 perfis falsos.
"É hora de parafrasearmos os franceses na Revolução de 1789: Às armas, cidadãos!!! Formai vossos batalhões!!!", disse a magistrada. 

Fonte: Brasil247

Indicada por Temer, Dodge promete ação para banir direitos de Lula o quanto antes

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que a Procuradoria Geral da República irá ajuizar ações judiciais de impugnação contra todos os candidatos cuja candidatura esteja vetada pela Lei da Ficha Limpa, incluindo os condenados por órgão colegiado.
O ex-presidente Lula tem 58% dos votos válidos e está preso para ser impedido de disputar eleições, como apontam as maiores lideranças do mundo, como o senador Bernie Sanders, político mais popular dos Estados Unidos’.

Fonte: Brasil247

PT e PCdoB avançam em acordo para disputa presidencial

Na negociação com o PCdoB ainda não está em discussão o nome de um provável vice
A direção do PT está confiante em concretizar nos próximos dias coligação com o PCdoB na chapa majoritária nacional. As conversas com os comunistas caminharam bem nos últimos dias, segundo dois dos articuladores petistas neste processo ouvidos pelo blogue.
Por outro lado, esfriou um acordo com o PSB. Esse esfriamento das relações, inclusive, levou o diretório estadual do PSB do Amapá, que havia disputado a recente eleição no estado em coligação com o PT, a excluir o partido da sua chapa.
Na negociação com o PCdoB ainda não está em discussão o nome de um provável vice. O blogue também apurou que no PCdoB isso é uma das coisas que estaria causando constrangimento, já que a candidatura da deputada estadual e pré-candidata à Presidência pelo partido, Manuela D’Ávila, animou as bases do partido e hoje, ampla maioria da militância prefere ir com ela até o final.
Se o PT oferecesse a vice de Lula para Manuela o acordo já estaria fechado.
Fonte: Revista Fórum

Vox Populi: Para 69%, a vida priorou após o golpe

Da CUT - O índice de rejeição do ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), líder em taxas recordes de desemprego, responsável pelo fim dos direitos trabalhistas e pelo aumento da fome e da miséria, passou de 73% para 83% entre maio e julho deste ano, revela pesquisa CUT/Vox Populi, realizada entre os dias 18 e 20 de julho.
E 69% dos brasileiros afirmam que a vida está pior depois do golpe de 2016, que derrubou Dilma Rousseff, presidenta eleita democraticamente por mais de 54 milhões de votos.
Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, os resultados demonstram que o golpe não foi contra Dilma, foi para retirar direitos da classe trabalhadora, trazer de volta o desemprego, as privatizações, o arrocho salarial e o desmonte das políticas públicas de inclusão social.
Com Temer, o retrato do Brasil é a volta da miséria e da falta de credibilidade, diz Vagner.
“É um país desacreditado internacionalmente”.- Vagner Freitas
Segundo o presidente da CUT, com a aprovação da reforma trabalhista, que praticamente rasgou os direitos da classe trabalhadora, “o que temos são taxas recordes de desemprego e aumento do trabalho precário e informal.”
“É o povo vivendo de bico para pagar as contas no final do mês e cozinhando à lenha porque não pode pagar mais pelo gás de cozinha cada vez mais caro”, critica Vagner, lembrando que a maioria das famílias brasileiras voltou a ficar endividada, sem conseguir pagar sequer as contas de água e luz.
"As filas quilométricas em busca de emprego voltaram a ser realidade no País. Bem diferente dos governos de Lula e Dilma, quando o Brasil atingiu o pleno emprego", lamenta Vagner, lembrando que o número de desempregados no País cresceu 94,2% se comparado com 2014
“Ao todo, são 27,7 milhões de pessoas aptas ao trabalho que viraram estatística, é a tal força de trabalho subutilizada no Brasil pós-golpe”, diz.
Temer é rejeitado de norte a sul
83% dos brasileiros reprovam o desempenho de Temer como presidente. Apenas 3% avaliam positivamente. O percentual dos que achavam Temer regular caiu de 20% para 13% entre maio e julho.
As piores avaliações estão no Sudeste, onde 71% dos entrevistados acham o ilegítimo Temer ruim ou péssimo. Em segundo lugar, aparece o Centro-Oeste e Norte, com 69%, seguido pelo Nordeste (64%), Região que mais sente saudade do Lula, e pelo Sul (62%).Com Temer, a vida piorou
Segundo a pesquisa CUT/Vox Populi, desde que o ilegítimo Temer assumiu a presidência, em agosto de 2016, a vida piorou para 69%. Somente 6% dizem que a vida melhorou. Outros 23% avaliam que nada mudou e não sabem ou não responderam registrou 2%.
Desemprego volta a ser preocupação do povo
Com o fechamento de três milhões de vagas formais durante a crise provocada pela falta de política econômica do ilegítimo Temer e com o aumento no número de desempregados no País, que chega a 13,2 milhões de pessoas, os brasileiros e brasileiras voltaram a listar a necessidade de geração de empregos como uma das principais prioridades do próximo presidente.Para 20%, a diminuição do desemprego deve estar entre as principais preocupações do novo governo. Em primeiro lugar, está a melhoria na saúde pública, com 24%. Educação (18%), combate à corrupção (13%) e segurança pública (8%) também aparecem no topo da lista de prioridades.
Dia do Basta – 10 de agosto
O presidente da CUT, Vagner Freitas, afirma que é preciso dar um basta nessa situação e que só com o povo mobilizado nas ruas, no dia 10 de Agosto, Dia do Basta, promovido pela CUT e demais centrais sindicais, é possível fazer com que o país comece a sair da crise.“Vamos dizer basta de desemprego, de retirada de direitos, de privatizações, de aumento no preço dos combustíveis e na conta de luz, entre tantas maldades deste governo golpista.”

Membros do Judiciário defendem reajuste salarial em 16,38% em reunião com Cármen Lúcia

Segundo presidente da associação de procuradores, Robalinho Cavalcanti, entidades pediram 16,38% de reajuste. Ministra recebeu entidades no Planalto porque ela exerce interinamente a Presidência.
ideranças de entidades representativas de juízes e do Ministério Público pediram reajuste salarial durante encontro nesta quarta-feira (25) com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, no Palácio do Planalto.
Cármen Lúcia está no exercício da Presidência da República porque o presidente Michel Temer cumpre agenda na África do Sul e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também viajaram para o exterior.
Presente à reunião, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), José Robalinho Cavalcanti, afirmou que as categorias pedem um “remanejamento” na proposta de orçamento de 2019 que contemple um reajuste de 16,38%.O STF e o Conselho Superior do Ministério Público Federal aprovam as propostas de orçamento a serem enviadas ao Executivo. Os valores deverão ser incluídos no projeto de Orçamento da União e 2019, a ser enviado ao Congresso até 31 de agosto deste ano.
“Estamos pedindo é um remanejamento orçamentário, que abra espaço para que nós tenhamos nosso reajuste, sem qualquer aumento de gasto público, ou seja, dentro do teto [de gastos públicos]”, disse.
Segundo Robalinho, o reajuste não resultaria em aumento de despesas, em razão do teto de gastos públicos. Assim, segundo ele, o reajuste seria possível com o remanejamento de valores do orçamento, por meio da redução de despesas de outras áreas.
O presidente da ANPR explicou que o percentual de 16,38% é o mesmo previsto em um projeto enviado ao Congresso em 2015 e que ainda não foi apreciado pelo Senado.
Robalinho afirmou que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, já recebeu o mesmo pedido. As entidades vão procurar os demais ministros do STF para discutir o assunto.
No caso do STF, a Corte deve decidir em agosto, em sessão administrativa com data a ser marcada, sobre a proposta de orçamento de 2019.
No ano passado, a inclusão de elevação da remuneração dos ministros foi rejeitada pela maioria, levando em conta a conjuntura econômica do país e o “efeito cascata” que o valor do subsídio, usado como teto para o funcionalismo público, levaria ao governo federal e aos estados.
De acordo com Robalinho, magistrados e integrantes do MP não têm reajustes desde 2015, enquanto outras categorias do serviço público tiveram reajuste salarial.
“Nós não temos desde 2015, e o reajuste que nós tivemos em 2015 repôs a inflação só até dezembro de 2013. Não conheço categoria no Brasil, pública ou privada, que esteja há cinco anos sem reajuste”, afirmou.
Procurada pelo G1, a assessoria de Cármen Lúcia informou que a ministra recebeu um documento com as propostas das entidades e “limitou-se a ouvir” os argumentos.
Cármen Lúcia resiste à proposta de reajuste para os vencimentos dos ministros do STF, que servem de referência para o limite salarial do serviço público.De acordo com o Palácio do Planalto, participaram da reunião com Cármen Lúcia representantes das seguintes entidades:
Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR)
Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp)
Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe)
Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT)
Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra)
Associação dos Magistrados do Distrito Federal e Territórios (Amagis-DF)
Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT)
Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM)