GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

quinta-feira, 9 de abril de 2020

"Bolsonaro virou motivo de chacota internacional", diz presidente da maior consultoria de risco do mundo

Ian Bremmer, presidente e fundador do Eurasia Group Foto: Kholood Eid / Bloomberg

"O presidente de um país não pode confrontar a ciência", afirma Ian Bremmer, presidente da Eurasia Group, que reduziu as expectativas em relação ao Brasil

O executivo Ian Bremmer, presidente e fundador da Eurasia Group, considerada a principal consultoria de risco político do mundo, concedeu entrevista à Deutsche Welle e se disse surpreendido pela postura de Jair Bolsonaro perante o avanço da covid-19, a doença provocada pelo coronavírus, no país. Bremmer afirma que a Eurasia baixou as projeções e expectativas para o Brasil em função do cenário atual. "O presidente de uma nação não pode confrontar a ciência e o bem-estar de seus cidadãos. Além disso, ele está minando a sua própria popularidade e causando divisões dentro da base de apoio à agenda de reformas econômicas no Congresso Nacional, o que pode conduzi-lo ao impeachment. No plano internacional, ele virou motivo de chacota", afirma.
"Nós rebaixamos nossas projeções e expectativas para o Brasil em função da crise pandêmica. As principais razões são a condução de Bolsonaro, associada ao risco de que não consiga levar adiante a agenda de reformas econômicas e, em vez disso, volte-se para a sua base populista, mais ligada aos temas de segurança. Isso criaria muitas divisões no país. São elementos que abrem espaço para um impeachment após esta crise", disse Bremmer.


Fonte: Brasil 247

Igreja Católica critica Bolsonaro, que desinforma e provoca cisões

Líder católico brasileiro, Dom Walmor Oliveira, presidente da CNBB, afirma que falas de Jair Bolsonaro e notícias falsas desinformam e abrem caminho para a morte


O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), dom Walmor Oliveira de Azevedo, critica o comportamento de Jair Bolsonaro durante a pandemia de coronavírus. Para o líder católico, a instabilidade política prejudica a resposta do país à pandemia.


A CNBB assina a carta lançada em conjunto com outras entidades, após Bolsonaro chamar a Covid-19 de “resfriadinho” na TV. O documento afirma que o ocupante do Palácio do Planalto ameaça a saúde pública com “campanha de desinformação”.
Reportagem do jornalista Felipe Bächtold na Folha de S.Paulo lembra que a manifestação foi subscrita também pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), a ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), entre outras entidades. 


O presidente da CNBB defende o direito da população de advertir e orientar o governo, e isso não deve ser visto como posicionamento político-partidário.
Ele também critica decreto de Bolsonaro determinando a abertura de igrejas com argumento de que fazem parte de “atividades essenciais”.


Fonte: Brasil 247

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Obcecado e descontrolado, Bolsonaro acorda atacando David Uip no twitter

Bolsonaro acordou com a macaca e ataca médico David Uip no Twitter
Publicado em 8 abril, 2020 8:17 am
Jair Bolsonaro acordou nesta quarta (8) na ofensiva no Twitter:

1- Há 40 dias venho falando do uso da Hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19. Sempre busquei tratar da vida das pessoas em 1° lugar, mas também se preocupando em preservar empregos. Fiz, ao longo desse tempo, contato com dezenas médicos e chefes de estados de outros países.

2- Cada vez mais o uso da Cloroquina se apresenta como algo eficaz. Dois renomados médicos no Brasil se recusaram a divulgar o que os curou da COVID-19. Seriam questões políticas, já que um pertence a equipe do Governador de SP?


3- Acredito que eles falem brevemente, pois esse segredo não combina com o Juramento de Hipócrates que fizeram. Que Deus ilumine esses dois profissionais, de modo que revelem para o mundo que existe um promissor remédio no Brasil.

PS: Os médicos a que Bolsonaro se refere são David Uip e Roberto Kalil


1- Há 40 dias venho falando do uso da Hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19. Sempre busquei tratar da vida das pessoas em 1° lugar, mas também se preocupando em preservar empregos. Fiz, ao longo desse tempo, contato com dezenas médicos e chefes de estados de outros países.


6.386 pessoas estão falando sobre isso

Fonte: DCM/Twitter

Weintraub é denunciado ao STF por crime de racismo contra a China

Weintraub é denunciado no STF por racismo contra chineses


De acordo com a ação, conduta do ministro da Educação é repugnante, não condiz com o cargo, prejudica as relações entre os países e discrimina descendentes que vivem no Brasil


Por Ricardo Ribeiro, na revista Fórum – O historiador e colunista da Fórum Vinicius Gomes Wu apresentou uma notícia-crime por racismo contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, no Supremo Tribunal Federal.





Na ação, Wu argumenta que Weintraub, por suas recentes declarações contra a China, incorreu no crime de racismo, conforme previsto na Constituição brasileira: “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”.


No último sábado (4), o ministro publicou a capa de uma edição do gibi da Turma da Mônica que se passa na China e usou a fala típica do personagem Cebolinha, que troca o R pelo L, para ridicularizar a forma como imigrantes asiáticos falam português. Weintraub ainda insinuou que a China obteria benefícios com pandemia de coronavírus.





Apesar da reação da Embaixada da China no Brasil, o ministrou do governo Bolsonaro retomou as declarações racistas e em uma live do deputado filho do presidente, Eduardo Bolsonaro, e em uma entrevista na TV Bandeirantes. Todos os episódios foram relatados na notícia-crime, bem como os laços significativos entre Brasil e China.


“A manifestação do Noticiado, além de indigna e repugnante, é totalmente incondizente com o padrão de conduto exigido de um ministro de Estado, prejudica o Brasil em suas relações internacionais e discrimina gravemente o povo chinês e os descendentes de chineses que têm em nosso país sua pátria e sua casa”, afirma Wu, em trecho da notícia-crime a que a Fórum teve acesso.



Fonte: Brasil 247