GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Funk na lancha e vadiagem derrubaram aprovação de Bolsonaro entre os evangélicos

 


 Brasil 247  - As férias de Jair Bolsonaro, seus passeios de jet-ski, seu funk na lancha ao lado de uma mulher de biquíni e sua insensibilidade enquanto a Bahia sofria com as enchentes derrubaram sua aprovação entre os evangélicos, segundo aponta a coluna política do jornal Estado de S. Paulo, nesta segunda-feira. A imagem de que Jair Bolsonaro não trabalha, não tem empatia e pensa apenas no seu bem-estar pessoal ajudaram a ampliar sua rejeição entre os evangélicos. Por isso mesmo, na mais recente pesquisa Quaest, ele apareceu com 34% de apoio, atrás do ex-presidente Lula, com 35%. De acordo com os analistas do jornal, nem mesmo a nomeação de André Mendonça, o ministro terrivelmente evangélico para o Supremo Tribunal Federal, conseguiu estancar a sangria.






Portal diz que Moro vai desistir da presidência e disputar o Senado pelo Distrito Federal


 Por Antonio Duarte Vargas, no Disparada – Que Moro deve acabar desistindo da candidatura presidencial não é segredo para ninguém. Existe uma meta não-oficial dele mesmo de que para manter a candidatura ao Executivo deveria chegar bem próximo de Bolsonaro nas pesquisas até março. Mas tanto Moro como seus apoiadores sabem que isso é improvável.

Ele provavelmente será candidato a senador pelo Distrito Federal, pois no Paraná a vaga é do todo poderoso coronel do Podemos, Alvaro Dias, que é ao fim e ao cabo o maior fiador da candidatura Moro.



Já em São Paulo, o jogo é muito intrincado. O apresentador de TV, José Luiz Datena, que já anunciou e em seguida desistiu de ser candidato várias vezes, é o favorito nas pesquisas e articula com o governismo estadual para compor a chapa do vice-governador tucano Rodrigo Garcia. Além disso, a esquerda sempre tem votos cativos que poderiam ir para o vereador puxador de votos do PT, Eduardo Suplicy, ou para algum arranjo com o PSB caso Lula consiga convencer Márcio França.

De qualquer forma, é bastante difícil Moro se eleger senador por São Paulo, pois ele é incapaz de transitar na política do maior estado do País. (leia a íntegra no Disparada)





PT planeja criar 5 mil comitês de apoio à candidatura Lula até maio


 Folha de S Paulo"O PT aposta na comunicação como principal alicerce da RAP (Rede Nacional de Comitês de Atuação Partidária), que pretende dar apoio à futura campanha presidencial de Lula (PT). Como mostrou o Painel, o partido pretende criar até 5 mil comitês até maio", informa o jornalista Fábio Zanini, na coluna Painel, da Folha de S. Paulo.





"O partido prevê que a Secretaria Nacional de Comunicação deverá produzir material periódico e específico para divulgação por meio dos comitês e dar visibilidade às ações dos espaços com a criação de um canal próprio para isso. O responsável por cada comitê receberá o material da Secretaria de Comunicação do partido e ficará responsável por divulgá-lo para os militantes em sua área ou território de atuação", aponta ainda o jornalista.






Rui Falcão contesta chapa Lula-Alckmin e vê contradição com as ideias do PT

 


 Folha de S. Paulo  - O deputado federal Rui Falcão (PT-SP), que é também ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, contestou a chapa Lula-Alckmin, em entrevista ao jornalista Ranier Bragon, publicada na Folha de S. Paulo. "Lula não precisa de uma muleta eleitoral", afirmou. "Temos um programa de reconstrução e transformação do país, como a Fundação Perseu Abramo vem trabalhando. Segundo, o Alckmin é a contradição a tudo isso que fizemos e pretendemos fazer. Terceiro, dá uma sinalização muito negativa para uma campanha que tem que ser aguerrida, mobilizada e com a construção de comitês de defesa da eleição do Lula que permaneçam depois como comitês de apoio do programa de transformação. Além do retrospecto das políticas que realizou como governador de São Paulo, do apoio ao impeachment e de suas posições ultraconservadoras", afirma.





Rui Falcão disse que sua crítica é pessoal e ressaltou que não fala em nome do partido. Ele também elogiou a sinalização de mudança nas leis trabalhistas. "As declarações do Lula e da Gleisi sobre mudar a legislação trabalhista dão um bom tom para o programa porque colocam na ordem do dia a classe trabalhadora. A ideia do Lula de que ia colocar o povo no orçamento muda agora para colocar a classe trabalhadora no centro do programa de governo dele. E aí vêm algumas prioridades. Primeiro, e emergencial, o combate à fome, miséria, desemprego, carestia. Depois, o crescimento econômico. É vital ter investimento público, retomar o papel do estado para que possa gerar demanda e oferta. Por exemplo, a indústria caiu 20% em 10 anos. E a indústria gera mais e melhores empregos. O BNDES, que foi reduzido a um terço do seu tamanho, é, seguramente, o banco público que pode estimular o investimento. Essas prioridades não podem ser determinadas pela Faria Lima", ponderou.