GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Senado aluga 85 carros 0 KM por 8,3 milhões, país está em crise?

O Senado fechou contrato para alugar 85 carros zero-quilômetro para os senadores, secretário-geral da mesa, diretor-geral e segurança do presidenteEunício Oliveira (PMDB-CE). Os custos com manutenção, combustível e seguro dos automóveis estão incluídos no preço final.


Dois carros são especiais. Eles têm 250 cavalos de potência, ar-condicionado com duas zonas, película antivandalismo, central multimídia com tela touch com rádio integrado e leitor de CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e USB. Há também câmera de ré e comandos no volante. O aluguel de cada um dos carros mais luxuosos custará R$ 9.300 por mês.


sábado, 22 de julho de 2017

Paulo Coelho: povo paga compra de deputados com imposto na gasolina

247 - O escritor Paulo Coelho, brasileiro mais lido no mundo, disparou uma dura crítica ao varejo praticado por Michel Temer no Congresso, onde comprou, literalmente, o apoio de deputados, ao mesmo tempo em que aumentou o imposto de combustíveis para a população.



"Semana passada, Temer gastou uma fortuna em acordos com deputados que votariam contra sua cassação. Quem paga é o povo, claro", postou Paulo Coelho em seu Twitter.


Na Câmara, a fim de fazer com que fosse barrada sua denúncia por corrupção, Temer liberou R$ 15 bilhões em emendas parlamentares para que os deputados da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) votassem ao seu favor.Com o gesto, o Planalto reverteu o resultado da votação no colegiado e fez com que o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava dar prosseguimento à denúncia da Procuradoria Geral da República, fosse rejeitado.

Nesta quinta-feira 20, Temer mais que dobrou os impostos incidentes sobre os combustíveis e ainda disse que a população compreenderia sua decisão: "este é um governo que não mente, que não dá dados falsos".

segunda-feira, 17 de julho de 2017

As 11 técnicas de manipulação midiática contra Lula

Por Willy DelvalleNão há problemas em um veículo declarar uma tendência de direita ou de esquerda, favorável a esse ou àquele partido. A princípio, declarar-se como tal seria transparência com o público.Afinal, se um veículo defende alguém é melhor que ele diga isso do que fingir ser isento, imparcial e objetivo. O problema é quando esse veículo usa uma concessão pública para fazê-lo.

Por mais que sejam empresas, que naturalmente têm interesses econômicos, elas têm responsabilidades definidas pela Constituição. Seu dever é servir a sociedade e não se servir dela. Assim, a busca pela objetividade torna-se uma lei.Mas não é o que acontece. A condenação do ex-presidente Lula e a cobertura dos processos envolvendo o petista escancaram uma série de mecanismos de manipulação, sutis porém não menos perigosos, que mostram uma tentativa de destruir a imagem do ex-presidente, do PT e até da esquerda, preservando a de quem for conveniente.

Confira 11 técnicas de manipulação que vêm sendo utilizadas na cobertura desse momento político:

1 – DESQUALIFICAÇÃO DE UM LADO

No dia da condenação de Lula, uma reportagem dos noticiários da Globo repercutia a sentença com parlamentares petistas. Antes da presidente do partido falar, a repórter se referia a Gleisi Hoffman como “ré na Lava-Jato”. O mesmo foi feito com o senador Humberto Costa, “investigado na Lava Jato”. A mensagem que fica é que são corruptos defendendo um corrupto.

O problema não é citar o histórico judicial de um político. Problemático é fazer isso só quando se trata do PT. No caso da direita, não se faz o mesmo a todo tempo. Na mesma reportagem em que Gleisi é chamada de “ré na Lava Jato”, por exemplo, Paulo Bauer, que já foi condenado por improbidade administrativa em Santa Catarina e gravado falando de um esquema de contratação de funcionários fantasmas, é citado apenas como “senador pelo PSDB”.

O mesmo tratamento é dado à senadora Ana Amélia (PP), indicada pelo marido na década de 1980 para ocupar um cargo comissionado em Brasília e acusada anos mais tarde de ocultar uma propriedade rural. No vídeo, ela defende que “a lei é para todos”.

2 – FALSA UNANIMIDADE

Uma grande comunidade de juristas criticou a sentença contra Lula, alegando inexistência de provas, assim como a denúncia apresentada no ano passado pelo procurador Deltan Dallagnol. As críticas quase não apareceram no rádio ou TV. É como se ninguém sério fosse contra a conduta adotada pelos magistrados de Curitiba, só o PT.

3 – ASSOCIAÇÃO DESPROPORCIONAL

No dia da condenação, William Waack, apresentador e editor do Jornal da Globo, abriu o noticiário comemorando a sentença, dizendo que representava um feito contra os “poderosos”. Não mencionou que os processos contra os típicos representantes das elites andam bem mais devagar e com menos rigor, como no caso de Aécio Neves, Michel Temer, os presidentes das duas casas no Congresso, Geddel Vieira Lima e por aí vai…

A Revista Veja, em capa recente, coloca Aécio, Lula e Temer na imagem de um mesmo barco. Ignora que a robustez das acusações contra Aécio e Temer é flagrantemente muito maior do que em relação a Lula.

4 – DISTANCIAMENTO SELETIVO

Na hora de ler o posicionamento do PT à sentença de Moro, o repórter no Jornal Nacional diz: “segundo o partido, trata-se de uma medida equivocada, arbitrária e absolutamente ilegal. Afirma ainda que o processo foi conduzido por um juiz parcial, que segundo o PT, presta contas aos meios de comunicação e àqueles que não aceitam a trajetória de sucesso de Lula na presidência”.

Na segunda frase, utiliza-se novamente “segundo o PT”, sendo que o início da frase já introduzido pelo verbo “afirma”, cujo sujeito é o Partido dos Trabalhadores. Isto é, já foi dito que quem fala é o partido. Então, qual a necessidade de reafirmar essa informação num intervalo de tempo tão curto?

5 – ASSUMIR O DISCURSO DA PROCURADORIA COMO VERDADE

Reportagem do G1 ilustra uma postura recorrente em parte da grande imprensa brasileira: “A acusação é pela ocultação da propriedade de uma cobertura triplex em Guarujá, no litoral paulista, recebida como propina da empreiteira OAS, em troca de favores na Petrobras”. O trecho dá como verdade que houve ocultação da propriedade.

A imprensa internacional sempre menciona “de acordo com a procuradoria, …”.

6 – ASSUMIR O DISCURSO DO JUIZ COMO VERDADE

Ainda na abertura do Jornal Nacional do dia 12 de julho de 2017, William Bonner diz: “Moro analisa provas documentais, periciais e testemunhais”. E mais à frente: “Sérgio Moro analisa minuciosamente as provas documentais, periciais e testemunhais para concluir: ‘o ex-presidente Lula é culpado dos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro’”.

O apresentador chama de “provas” aquilo que parte da comunidade jurídica entende como “indícios”. Ao dizer que Moro “analisa minuciosamente” as chamadas provas, Bonner defende a atuação do magistrado, o que, numa concessão pública e em tempos de tanta desconfiança e polarização, não é uma postura “prudente”.

7 – ASSUMIR O DISCURSO DOS DELATORES COMO VERDADE

“Na sentença, o juiz Sergio Moro também cita o depoimento do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, que confirmou que o triplex foi reservado à família de Lula em 2009, que a OAS não poderia vender o imóvel e que a diferença de preço do imóvel e o custo das reformas seriam abatidos das dívidas de propinas do Grupo OAS com o PT, ligado ao esquema da Petrobras.”

O trecho de reportagem do G1 traz um problema também recorrente na conduta de parte da mídia brasileira. Usar verbos como “confessar” e “confirmar” denotam verdade, o que não sabemos estar havendo ou não na palavra dos delatores.

No ano passado, por exemplo, o delator Otávio Azevedo, da empresa Andrade Gutierrez, afirmou que havia depositado um cheque no valor de R$ 1 milhão como propina à campanha de Dilma Rousseff, discurso que foi desmontado quando a defesa dela apresentou um comprovante de que o cheque foi, na verdade, depositado para Michel Temer.

Sendo assim, quando se trata da palavra de um delator, é mais prudente usar os verbos “dizer” e “afirmar”.

8 – APONTAR CONTRADIÇÕES

Quando Lula prestou depoimento a Moro, William Bonner frisou que, em um determinado momento, o juiz Sérgio Moro percebeu uma contradição de Lula.

No entanto, não menciona contradições de outro tipo, como a de que o delator Léo Pinheiro, da OAS, primeiro inocentou Lula e obteve vasta condenação. E que só depois de mudar de discurso, obteve acordo de delação premiada e redução da pena.

9 – ESCONDER QUE OUTROS PARTIDOS DE ESQUERDA CONDENARAM A DECISÃO

Quando só petistas são ouvidos para criticar a condenação de Lula, esconde-se que outros partidos, inclusive críticos ao PT, também são contrários. Exemplo foi o comunicado do PSOL, que pouco ou nada repercutiu na grande imprensa. A posição do partido foi publicada no mesmo dia.

10 – ASSOCIAÇÃO VISUAL

A imagem de um esgoto por onde escorre dinheiro como plano de fundo para a imagem de quem é acusado já é uma condenação implícita, a exemplo do que sempre fazem os noticiários da TV Globo. Não sabemos e não importa se uma pessoa é inocente ou culpada, mas a prática dos jornais da emissora é colocar a imagem do acusado sobre a do dinheiro sujo. Assim, desrespeita-se o princípio constitucional de presunção de inocência. O que há é a presunção de culpa. Assim, basta ser investigado para ser automática e imediatamente condenado.

11 – POUCA VISIBILIDADE ÀS PESQUISAS DE ELEITORADO

Diversas pesquisas eleitorais vêm sendo realizadas, apontando Lula como o líder das intenções de voto para as eleições do ano que vem. A baixa visibilidade que as pesquisas encontram em parte da imprensa, principalmente na TV Globo, contribui para a tese de que é esse o verdadeiro motivo pelo qual Lula está sendo condenado.

sábado, 15 de julho de 2017

Vídeo- Gleen Greenwald: Há indícios muito mais fortes contra Temer e Aécio, mas eles não foram sequer afastados

Gleen Greenwald: Há indícios muito mais fortes contra Temer e Aécio, mas eles não foram sequer afastados

Esta é uma reportagem que não veríamos na grande imprensa brasileira. Em entrevista, Gleen Greenwald diz que "há muita preocupação por parte dos brasileiros de que isso seja mais um golpe na democracia do que um processo apenas político. Há muitos políticos corruptos na direita, inclusive o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves. Há indícios muito mais concretos contra eles mas nenhum dos dois foi condenado ou sequer afastado."
"Passa a impressão de que realmente se está tentando impedir que o povo tenha os presidentes que escolheu, que, no caso, são do PT."

Assistam essa reportagem do Democracy Now!, na qual Gleen Greenwald, co-fundador do The Intercept Brasil e vencedor do Prêmio Pulitzer de jornalismo em 2014 e do Prêmio Esso de Reportagem no Brasil, é entrevistado.

É possível ver a reportagem na íntegra com legenda aqui (https://goo.gl/UHEFQp) e a íntegra da edição do jornal, em inglês, aqui (https://goo.gl/tyTHUz)


sexta-feira, 14 de julho de 2017

Vídeo - Advogado destrói a falácia dos golpistas de que a reforma trabalhista vai gerar mais empregos.

Um advogado especialista em Direito trabalhista destrói a falácia dos golpistas de que a reforma trabalhista vai gerar mais empregos.
O único motivo é: AUMENTAR A MARGEM DE LUCRO DE EMPRESÁRIOS!


quinta-feira, 13 de julho de 2017

'Passei a ser ameaçado pelo líder do meu partido', diz deputado trocado na CCJ

Em uma fala contundente na noite dessa quarta-feira, o deputado federal Delegado Waldir (PR-GO) acusou o líder do PR, deputado José Alves Rocha (BA), de ameaçá-lo depois de ele se posicionar a favor da admissão da denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva.
Delegado Waldir foi um dos quatro deputados do PR que foram trocados na composição da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, em meio à discussão sobre o aval da Casa para que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente.
O deputado recorreu ao STF para reverter a troca, mas seu mandado de segurança foi rejeitado pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia. "Muitos parlamentares estão de joelhos, rastejando para essa organização criminosa que está no Palácio do Planalto, em troca do quê? De emendas, de cargos", criticou Delegado Waldir.
"Essa semana, logo depois do meu posicionamento nessa Casa, passei a ser ameaçado, primeiro, pelo líder do meu partido, que queria tomar providência em relação à minha conduta. Não vão me calar", disse o parlamentar.
Delegado Waldir também não poupou o Palácio do Planalto de críticas. "Esses bandidos do governo não me conhecem, essa organização criminosa continua ameaçando agora os parlamentares de todos os partidos: quem não fechar questão na votação em plenário vai sofrer consequências, vai perder emendas, vai ser expulso do partido. Esses partidos vão se esvaziar", prosseguiu.
Procurado pela reportagem, o parlamentar afirmou que entre as ameaças que vêm sofrendo estão a possibilidade de ser alvo do Conselho de Ética da Câmara e de ser expulso do PR. "E alguns parlamentares me recomendaram andar com mais segurança", completou Delegado Waldir.
'Irresponsável'
O líder do PR, deputado José Alves Rocha (BA), classificou como "irresponsável" a declaração de Delegado Waldir. "Ameaçado como? Ele é um maluco. Não foi só ele (a ser trocado na CCJ), foram retirados quatro (deputados), porque iam votar contra a recomendação partidária. Isso é fato notório. A liderança tanto indica como pode substituir", disse Rocha.
Por Agência Estado

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Enquanto Moro te distrai com Lula, Geddel Vieira Lima é solto

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (Governo Michel Temer) foi colocado em prisão domiciliar por ordem do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O peemedebista havia sido preso em 3 de julho por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal, de Brasília, sob acusação de pressionar a mulher do doleiro Lucio Funaro – preso na Operação Sépsis, há um ano – a não fazer delação premiada.




Em depoimento prestado na última sexta-feira, 7, Raquel Pitta, mulher do corretor Lúcio Bolonha Funaro, confirmou à Polícia Federal ter recebido ligações telefônicas do ex-ministro Geddel Vieira Lima nas quais teria sido “pressionada”. A suposta pressão exercida por Geddel teria como objetivo evitar que o marido de Raquel fizesse um acordo de delação premiada e foi o principal argumento usado pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira para autorizar a prisão do peemedebista.

Moro condena Lula para tirar foco da desgraça da Reforma Trabalhista

Como previsto e anunciado Moro condena Lula após aprovarem a reforma trabalhista ontem que tira os direitos da população e do trabalhador, tudo para distrair o povo, Moro sempre tem cronômetro político.


Exame – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do tríplex do Guarujá, investigado no âmbito da Operação Lava Jato.


Em suas alegações finais do processo, o MPF pediu a prisão de Lula em regime fechado, sustentando que ele recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012.
Segundo o MP, Lula teria recebido o tríplex no Guarujá como contrapartida por contratos fechados entre a OAS e a Petrobras durante sua gestão.

Do total, R$ 2,4 milhões se referiam a melhorias e reformas de um tríplex no Guarujá, e outro R$ 1,3 milhão teria financiado o armazenamento de seus bens pessoais entre 2011 e 2016, incluindo o acervo de presentes recebidos durante seus anos na presidência, segundo a acusação do MPF.

Também são réus no caso o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, os executivos da empresa Agenor Franklin Medeiros, Paulo Gordilho, Fábio Yonamine e Roberto Ferreira, e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

Todos são acusados de lavagem de dinheiro e corrupção ativa. A ex-primeira-dama Marisa Letícia teve o nome excluído da ação após a sua morte, em fevereiro passado.

A denúncia contra o ex-presidente foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) em setembro de 2016. Veja a íntegra do documento.

Saiba como cada senador votou sobre a reforma trabalhista

O plenário Senado aprovou nesta terça-feira (11), por 50 votos a 26 (e uma abstenção), o texto-base da reforma trabalhista.




Enviado pelo governo no ano passado, o projeto muda trechos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e prevê pontos que poderão ser negociados entre empregadores e empregados e, em caso de acordo coletivo, passarão a ter força de lei.
ela proposta, a negociação entre empresas e trabalhadores prevalecerá sobre a lei em pontos como parcelamento das férias, flexibilização da jornada, participação nos lucros e resultados, intervalo de almoço, plano de cargos e salários e banco de horas.

Outros pontos, como FGTS, salário mínimo, 13º salário, seguro-desemprego, benefícios previdenciários, licença-maternidade, porém, não poderão ser negociados.

O voto de cada senador

Saiba abaixo como cada senador votou sobre a reforma trabalhista:

A FAVOR DA REFORMA

Aécio Neves (PSDB-MG)

Airton Sandoval (PMDB-SP)

Ana Amélia (PP-RS)

Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Armando Monteiro (PTB-PE)

Ataídes Oliveira (PSDB-TO)

Benedito de Lira (PP-AL)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Cidinho Santos (PR-MT)

Ciro Nogueira (PP-PI)

Cristovam Buarque (PPS-DF)

Dalirio Beber (PSDB-SC)

Dário Berger (PMDB-SC)

Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Edison Lobão (PMDB-MA)

Eduardo Lopes (PRB-RJ)

Elmano Férrer (PMDB-PI)

Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)

Flexa Ribeiro (PSDB-PA)

Garibaldi Alves (PMDB-RN)

Gladson Cameli (PP-AC)

Ivo Cassol (PP-RO)

Jader Barbalho (PMDB-PA)

João Alberto Souza (PMDB-MA)

José Agripino Maia (DEM-RN)

José Maranhão (PMDB-PB)

José Medeiros (PSD-MT)

José Serra (PSDB-SP)

Lasier Martins (PSD-RS)

Magno Malta (PR-ES)

Marta Suplicy (PMDB-SP)

Omar Aziz (PSD-AM)

Paulo Bauer (PSDB-SC)

Pedro Chaves (PSC-MS)

Raimundo Lira (PMDB-PB)

Ricardo Ferraço (PSDB-ES)

Roberto Muniz (PP-BA)

Roberto Rocha (PSB-MA)

Romero Jucá (PMDB-RR)

Ronaldo Caiado (DEM-GO)

Rose de Freitas (PMDB-ES)

Sérgio Petecão (PSD-AC)

Simone Tebet (PMDB-MS)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Valdir Raupp (PMDB-RO)

Vicentinho Alves (PR-TO)

Waldemir Moka (PMDB-MS)

Wellington Fagundes (PR-MT)

Wilder Morais (PP-GO)

Zeze Perrella (PMDB-MG)

TOTAL: 50

CONTRA O PROJETO

Álvaro Dias (Pode-PR)

Ângela Portela (PDT-RR)

Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

Eduardo Amorim (PSDB-SE)

Eduardo Braga (PMDB-AM)

Fátima Bezerra (PT-RN)

Fernando Collor (PTC-AL)

Gleisi Hoffmann (PT-PR)

Humberto Costa (PT-PE)

João Capiberibe (PSB-AP)

Jorge Viana (PT-AC)

José Pimentel (PT-CE)

Kátia Abreu (PMDB-TO)

Lídice da Mata (PSB-BA)

Lindbergh Farias (PT-RJ)

Otto Alencar (PSD-BA)

Paulo Paim (PT-RS)

Paulo Rocha (PT-PA)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Regina Sousa (PT-PI)

Reguffe (sem partido-DF)

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Roberto Requião (PMDB-PR)

Romário (Pode-RJ)

Telmário Mota (PTB-RR)

Vanessa Grazziotin (PC do B-AM)

TOTAL: 26

ABSTENÇÃO

Lúcia Vânia (PSB-GO)

NÃO VOTOU

Eunício Oliveira (PMDB-CE); como presidente do Senado, ele só votaria em caso de empate

NÃO COMPARECERAM À VOTAÇÃO

Acir Gurgacz (PDT-RO)

Hélio José (PMDB-DF)

Maria do Carmo Alves (DEM-SE)

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Relator dá parecer favorável à denúncia contra Temer

O deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), relator da denúncia contra o presidente Michel Temer na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na Câmara, deu nesta segunda (10) parecer favorável ao prosseguimento do caso.



Frustrando a base governista, o relator entendeu haver elementos para a chamada "admissibilidade" da acusação da PGR (Procuradoria-Geral da República), segundo a qual o presidente cometeu crime de corrupção passiva. Segundo a denúncia, o peemedebista foi o destinatário final de uma mala contendo propina de R$ 500 mil e de uma promessa de outros R$ 38 milhões em vantagem indevida, ambas da empresa JBS.O relatório apresentado nesta segunda é uma das fases do processo para autorizar ou não a abertura de uma ação penal contra o presidente. O texto de Zveiter deverá ser votado pelo 66 membros da CCJ e, depois, por todos os 513 deputados em plenário. Caso o placar final seja favorável à denúncia, o caso é encaminhado ao STF (Supremo Tribunal Federal), responsável pelo julgamento.

O advogado de Temer, Antonio Claudio Mariz de Oliveira fará a sustentação oral para rebater a denúncia ainda nesta segunda. Depois disso, a expectativa é que haja pedido de vista e somente na quarta (12) tenham início as mais de 40 horas de debates de deputados a favor e contra a denúncia.

Temendo derrota, o governo intensificou a ofensiva para tentar livrar o presidente da República da denúncia.

Efeito Lava Jato: EUA assumem controle da Embraer sem pagar nada

Confira a notícia abaixo. Ela é boa para os coxinhas que defendem a privatização da Petrobrás achando que, assim, não haverá corrupção.
A Embraer foi privatizada há muitos anos e está sendo acusada, nos EUA, de corrupção. Coisa bem pesada.


Mas até aí tudo bem. A empresa foi acusada de corrupção e tenta hoje se corrigir.O bizarro é a solução encontrada.

A empresa, outrora uma orgulhosa estatal brasileira, a partir de agora será vigiada, por dentro, por um executivo de um escritório de advocacia norte-americano.

O Estadão fala ainda que Petrobras e Braskem “se espelham” no modelo da Embraer.

Os EUA, que fazem as guerras mais corruptas do mundo, nas quais matam milhões de pessoas, destroem toda a infra-estrutura dos países, apenas para que suas empreiteiras e outras empresas possam arrancar, do contribuinte americano, algumas centenas de bilhões de dólares para a reconstrução, ensinarão às empresas brasileiras como se manter longe da corrupção…

EUA, o país mais corrupto do mundo, é o novo guardião anticorrupção das empresas brasileiras.

Naturalmente, esse monitoramento implica interferência nos negócios e prejuízo à soberania da empresa e do país.

É importante observar que a Embraer representa a ponta mais avançada da indústria brasileira. Através de fartos financiamentos do BNDES e outras linhas públicas, a Embraer conseguiu se firmar como uma das maiores exportadoras mundiais de aviões de pequeno e médio porte.

Apesar de privada, a Embraer é um patrimônio nacional, assim como é a Petrobrás, assim como era Odebrecht. E agora será “vigiada” de dentro por americanos.

Esse golpe, que contou com ajuda da Lava Jato, sacrificando nossas empresas no altar do departamento de justiça do governo americano, está cada vez mais parecendo uma operação de domínio colonial.

Com essa intervenção, pode-se afirmar que os EUA assumiram o controle da nossa maior empresa de aviação, sem investir um centavo do próprio bolso.

***

Leia no Estadão

Fachin revela ameaças de morte após delações e toma precauções para não ser assassinado

Relator da Lava no Supremo Tribunal Federal no lugar de Teori Zavascki, morto num acidente aéreo até hoje não esclarecido, o ministro Edson Fachin recebeu ameaças de morte e mudou seus hábitos; segundo o jornalista Maurício Lima, ele recebeu uma mensagem com palavras ameaçadoras e encaminhou o caso à segurança do STF.



Ele diz ainda que, desde que Fachin se tornou relator da Lava-Jato, ele passou a se preservar, comendo em casa e evitando lugares públicos; Fachin foi o responsável pela fase mais explosiva da Lava Jato, com a prisão de Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor de Michel Temer, e de parentes do senador Aécio Neves (PSDB-MG)

Moro cancela delação de Palocci que incriminou a Globo

As negociações para a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci esfriaram muito nas últimas semanas.



O grupo de trabalho da Lava-Jato na Procuradoria-Geral da República está insatisfeito com o material oferecido até agora pelo petista, cuja delação prometia ser bombástica. Essencialmente, os investigadores se decepcionaram com Palocci, que não incriminou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu depoimento.Palocci foi preso em setembro do ano passado, durante 35ª fase da Lava-Jato, batizada de "Omertá" - uma referência a origem do codinome "italiano", pelo qual o ex-ministro era chamado por executivos da Odebrecht. Ele foi acusado de receber milhões de reais em propina da empreiteira.

Em maio deste ano, o ex-ministro trocou de advogado e começou a negociar a delação. A expectativa era de que, além de políticos de primeiro escalão, ele revelasse esquemas de corrupção envolvendo o mercado financeiro. O temor sobre essa delação levou bancos e gestoras de recursos a consultarem previamente a Lava-Jato sobre a possibilidade de fechar acordos de leniência. Palocci também citou benefícios à Globo.

No dia 26 de junho, oito meses após sua prisão, Palocci foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Ao dar a sentença, Moro afirmou que a proposta de delação do ex-ministro soou mais como "ameaça" a antigos aliados do que como uma intenção verdadeira de celebrar um acordo.

Filho de Trump admite conversa com advogada russa durante campanha

Em nota enviada ao NYT, Trump Jr. reconheceu ter conversado com a advogada Natalia Veselnitskaya
O fantasma da intervenção russa na eleição presidencial americana de 2016 volta a assombrar Donald Trump, após revelação do jornal The New York Times de que seu filho mais velho conversou com uma advogada ligada ao Kremlin em plena campanha.

Citando pessoas que estiveram na reunião, o New York Times informou que Donald Trump Jr. participou do encontro com a promessa de obter "informação prejudicial" sobre a então candidata democrata, a ex-secretária de Estado Hillary Clinton.

Também teriam participado o genro e hoje assessor direto de Trump na Casa Branca, Jared Kushner, e o então diretor de campanha do candidato republicano, Paul Manafort. De acordo com o jornal, esse encontro aconteceu em junho de 2016, em Nova York.

Em nota enviada ao NYT, Trump Jr. reconheceu ter conversado com a advogada Natalia Veselnitskaya.

Segundo ele, Natalia "afirmou ter informações sobre pessoas conectadas com a Rússia, que financiavam o Comitê Nacional Democrata e apoiavam Hillary".

"Logo ficou evidente que não tinha informação significativa", tentou esclarecer, acrescentando que, na sequência, a advogada falou sobre um programa de adoção de crianças russas, por parte de casais americanos, e que havia sido suspenso pelo presidente Vladimir Putin.

O filho de Trump garantiu que as adoções foram "o verdadeiro tema do encontro, e as afirmações sobre informação potencialmente útil (sobre Hillary Clinton) foram um pretexto para realizar a reunião".

Trump: 'hora de seguir adiante'

A notícia surgiu horas depois de Trump ter publicado uma série de tuítes, no domingo (9), após seu primeiro encontro cara a cara com Putin durante uma cúpula do G20. Neles, disse ter confrontado o colega russo sobre as denúncias de ingerência das agências de Inteligência de Moscou na corrida presidencial americana.

"Insisti energicamente duas vezes com o presidente Putin sobre uma interferência russa na nossa eleição", tuitou, acrescentando que "ele negou veementemente".

Trump reiterou que chegou o momento de fazer a relação bilateral avançar, ainda que Estados Unidos e Rússia mantenham várias divergências sobre temas globais.

"É hora de trabalhar de forma construtiva com a Rússia", defendeu.

Como exemplo, mencionou o cessar-fogo na Síria acertado junto com Moscou e Amã, o qual entrou em vigor no domingo.

Entre as possíveis áreas de colaboração poderia estar a criação de uma "unidade de cibersegurança impenetrável" para prevenir novos ataques em futuros eleições, sugeriu o presidente no Twitter.

Horas depois, ele esclareceu: "O fato de que eu e o presidente Putin tenhamos discutido sobre uma unidade de cibersegurança não significa que isso possa ser feito. Não pode".

O tema levantou nova polêmica e foi criticado dentro de seu próprio partido por caciques como os senadores Lindsey Graham e John McCain. Os republicanos também exigiram que sejam aplicadas sanções pela intromissão russa nas eleições.

No sábado (8), Putin declarou que Trump se deu por "satisfeito" quando ele negou todas as acusações durante o encontro bilateral no G20. No domingo, porém, o secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin, garantiu que já tem "sobre a mesa" uma bateria de sanções que espera "executar".

Por: AFP - Agence France-Presse

MP-GO quer saber se Rocha Loures 'furou fila' ao receber tornozeleira

O Ministério Público de Goiás inicia nesta terça-feira, 11, a tomada de depoimentos na investigação aberta para apurar se o ex-deputado federal e ex-assessor especial da Presidência, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), "furou fila" ao receber uma tornozeleira eletrônica para poder converter sua prisão preventiva em regime domiciliar.
Rocha Loures foi preso no dia 3 de junho, após ser flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil. No dia 30, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou as soltura do preso e o cumprimento de medidas cautelares alternativas, como o recolhimento domiciliar à noite e no fim de semana, bem como o uso de tornozeleira eletrônica.
No mesmo dia, a Superintendência da Polícia Federal em Brasília divulgou nota na qual afirmava não ter o equipamento disponível e que havia feito uma solicitação à PF de Goiânia. Rocha Loures foi solto no dia seguinte, 1, em meio à promessa da PF de que instalaria a tornoseleira no mesmo dia.“Na prática, o Rocha Loures furou a fila”, diz o promotor Fernando Krebbs, da área criminal do Ministério Público de Goiás (MPE). Ele adiantou ter aberto investigação sobre o caso e há procedimento instaurado, com oitiva nesta terça-feira. Disse, ainda, que é preciso saber como se deu o empréstimo "porque há déficit superior a mil tornozeleiras e fila de presos”. “Então, se o Loures furou a fila é preciso investigar o caso”, comentou.
Empréstimo. O secretário estadual de Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás (SSPAP), Ricardo Balestreri, afirmou nesta segunda-feira, 10, que a tornozeleira eletrônica que monitora Rocha Loures é legal, funciona e registra via satélite todos os passos do "homem da mala".
Ele garantiu que o empréstimo da tornozeleira, ao Departamento Penitenciário (Depen) do Ministério da Justiça, no último dia 1º em Goiânia (GO), deve-se a acordo oficial. E a cessão do equipamento, segundo ele, em nada afetou o sistema penitenciário.
“Não ocorreu favorecimento”, diz o secretário Ricardo Balestreri. “Estava em falta em Brasília e o preso teria de ser monitorado, uma vez que foi condenado à prisão domiciliar”, indicou. “Estamos próximos do DF, e a cessão não gerou prejuízo porque nenhum preso (de Goiás) foi preterido”. Ressaltou que Rocha Loures ficará no interior da casa, de segunda a sexta-feira e finais de semana, entre 20h e 06h.
Fonte: Estadão

domingo, 9 de julho de 2017

Lula cobra pedido de desculpas da Globo

"O jornalismo da Globo bateu bumbo em seus jornais, canais de televisão e rádios que Lula e Dilma teriam contas na Suíça, na esteira da delação da JBS. Hoje, discretamente no jornal O Globo, saiu uma pequena nota que comprova que tais contas não existem nem jamais existiram. Não existe extrato delas", postou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; "Mais uma acusação ficcional, sem pé nem cabeça, contra Lula e Dilma que cai por terra. O jornalismo da Globo dará o mesmo espaço, pedirá desculpas, no Jornal Nacional, Globonews, CBN e G1 que ela dá para acusações sem provas?"
Do facebook do ex-presidente Lula – ACUSAÇÕES SEM PROVAS SÃO MANCHETES. PROVAS DA INOCÊNCIA SÓ NOTAS DE RODAPÉ.
O jornalismo da Globo bateu bumbo em seus jornais, canais de televisão e rádios que Lula e Dilma teriam contas na Suíça, na esteira da delação da JBS.
Hoje, discretamente no jornal O Globo, saiu uma pequena nota que comprova que tais contas não existem nem jamais existiram. Não existe extrato delas.
Não existe conta de Lula e Dilma no exterior.
Mais uma acusação ficcional, sem pé nem cabeça, contra Lula e Dilma que cai por terra.
O jornalismo da Globo dará o mesmo espaço, pedirá desculpas, no Jornal Nacional, Globonews, CBN e G1 que ela dá para acusações sem provas?
Saiba mais sobre o caso em Joesley: conta de Lula e Dilma nunca existiu.

Vídeo- Tentativa de assalto acaba em intenso tiroteio em supermercado de Ramos, no Rio

Caso aconteceu na manhã deste domingo (9). De acordo com a polícia, um suspeito de participação no crime ficou ferido.

ma tentativa de assalto levou pânico na manhã deste domingo (9) a um supermercado em Ramos, na Zona Norte do Rio. Criminosos trocaram tiros com seguranças. Segundo relatos, foi intensa a troca de tiros. Há suspeita de que um dos assaltantes ficou ferido na ação.
De acordo com a Polícia Militar, o caso ocorreu em um supermercado localizado na Rua Uranos. Vigilantes que faziam a escolta de um carro-forte foram surpreendidos por criminosos armados. Os seguranças reagiram e deram início a intensa troca de tiros com os assaltantes.
Segundo a PM, os criminosos não conseguiram concluir o roubo e fugiram sem levar nada. Pouco depois, a corporação foi informada de que um homem deu entrada com ferimento a tiro no Hospital Geral de Bonsucesso. Os policiais suspeitam que este homem tenha participado do tiroteio.
A Polícia Militar não recebeu informações se clientes ou funcionários do supermercado foram feridos na ação. Até o momento, ninguém foi preso.
Vídeo no link:  G1