segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Quem é o líder integralista que está convocando atos para o 7 de setembro em Brasília?

 


A PostagemEx-integrante do governo Bolsonaro preside o PTB-DF e visitou ministro Queiroga e senador Eduardo Girão.

O advogado Paulo Fernando Melo, um dos líderes do movimento integralista no Brasil, é organizador da manifestação pró-governo do presidente Jair Bolsonaro que vai ocorrer nesta terça-feira (7), no Dia da Independência, em Brasília (DF). Melo trabalhou na gestão federal em cargo comissionado, como assessor especial da ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), de fevereiro de 2019 a maio de 2021.




O integralismo é um movimento político surgido no Brasil na década de 1930, influenciado pelos ideais fascistas que se desenvolveram na Europa após o fim da I Guerra Mundial. Nos dias atuais, a pauta é invocada por grupos como a Frente Integralista Brasileira (FIB), coordenada por Melo, e o Movimento Integralista e Linearista Brasileiro (MIL-B).




Depois da saída do posto no Executivo, Melo permaneceu próximo da gestão Bolsonaro. Em 26 de agosto, fez reunião no gabinete do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. O encontro, que inicialmente não estava registrado em agenda oficial, foi revelado pela imprensa e só depois inserido nos registros oficiais do chefe da Saúde.






A justificativa oficial da pasta, divulgada à época, é que a reunião serviu para coleta de depoimento para biografia sobre o deputado de extrema direita Enéas Carneiro (1938-2007), de quem Queiroga foi aluno. Melo chegou a assessorar o ex-presidenciável.

Na data do encontro entre Queiroga e Melo, os atos de 7 de setembro já estavam marcados. As manifestações insufladas por bolsonaristas terão a presença do presidente em Brasília, pela manhã, e na Avenida Paulista, em São Paulo, no período da tarde. Melo é um dos principais entusiastas do movimento na capital federal.




Em 12 de junho, Melo foi nomeado pelo ex-deputado Roberto Jefferson como presidente do PTB no Distrito Federal. Sob comando do ex-congressista preso pela Polícia Federal, a sigla passa por radicalização e tem abrigado cada vez mais integrantes de grupos fascistas e neonazistas.

Antes de assumir a função no partido, Melo permaneceu por quase dois anos no governo federal com atuação direta no gabinete de Damares. O cargo que ocupava lhe rendia vencimentos superiores a R$ 16.000 mensais. Ele ainda consta na lista de autoridades do ministério.

0 comentários:

Postar um comentário