segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Demagogia eleitoreira de Bolsonaro gera custo de R$ 67 bi e pode estourar Orçamento

 


Folha de S.Paulo  - Medidas propostas para recuperar a popularidade de Bolsonaro, que atingiu os níveis mais baixos, já demandam R$ 67 bilhões dos cofres públicos em 2022. O impacto fiscal deve ser ainda maior nos anos seguintes e vai estourar o Orçamento.

Bolsonaro está forçando o aumento de gastos do governo no ano em que tentará a reeleição. 

Fazem parte da conta itens como a isenção para o diesel no próximo ano, a expansão no Bolsa Família, a reforma tributária e o aumento no funcionalismo. 



Segundo analistas, estes gastos geram incertezas quanto ao equilíbrio fiscal do país. 

Pessoas próximas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, já admitem que se preocupar neste momento "faz sentido". Os receios se acentuaram nos últimos dias.





Reportagem da Folha de S.Paulo aponta que se generaliza a percepção de risco que essas medidas podem gerar. Surgem discussões no governo e no mercado sobre calote de dívidas e pedalada fiscal.

0 comentários:

Postar um comentário