sexta-feira, 2 de julho de 2021

Ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações acusa Bolsonaro de prejudicar vacinação no país


Coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) nos últimos dois anos, cargo do qual pediu demissão, Francieli Fontana criticou abertamente Jair Bolsonaro e duas declarações anticiência pelo atraso na vacinação contra Covid-19: “Isso divide a opinião pública. Quando se tem certeza de que vacina é o meio mais efetivo para conter a epidemia, junto com as medidas não farmacológicas, e tem comunicação diferente do líder da nação, isso traz prejuízo para a campanha de vacinação”.

Ela disse ao jornal Folha de S.Paulo que a postura de Bolsonaro na pandemia levou a um mar de dúvidas no país: “Vimos que começou a haver dúvidas da própria população em relação à vacinação. Precisaríamos ter um comportamento que unificasse o país e uma comunicação única”.

Francieli Fontana criticou também o ataque de Bolsonaro ao uso de máscaras: “Uma fala do presidente da República de que vacinado já poderia deixar de usar a máscara é um cenário muito ruim para o Programa de Imunizações. Não vacinamos ainda quantitativo suficiente da população e estamos com número de casos expressivo”.



De acordo com a ex-dirigente, o ideal seria ter uma campanha publicitária que informasse sobre os grupos prioritários, e a segurança e eficácia das vacinas de forma mais direta. “Mas na gestão do [general Eduardo] Pazuello, dificilmente se conseguia uma comunicação. Eu entrava em contato com o núcleo de comunicação, que fazia contato com a assessoria, e não era explorado esse tema”, relata.

Atualmente, Fontana é alvo de um requerimento para acareação com a médica Luana Araújo sobre recomendações adotadas para a vacinação de gestantes no país.




0 comentários:

Postar um comentário