terça-feira, 17 de março de 2020

Governadores e parlamentares consideram que País está sem comando na crise do coronavírus

Enquanto o ministério da Saúde brasileiro fala em diminuir a circulação de pessoas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu que apenas idosos adotassem o isolamento contra a doença. O mundo político está em estado de choque com a descoordenação e descontrole do governo Bolsonaro. A avaliação é a de que a comunicação está contraditória e falta comando no País


Governadores e parlamentares consideraram, nesta segunda-feira (16), que a comunicação do governo Jair Bolsonaro sobre o coronavírus está desastrosa. A avaliação é a de que o País está sem comando e que os ministérios estão passando mensagens contraditórias. A informação é da coluna Painel. As secretarias estaduais de saúde divulgaram, até as 9h30 desta terça-feira (17), 301 casos confirmados da doença. O último balanço do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de segunda-feira (16), apontava 234 infectados, 2.064 casos suspeitos e 1.624 casos descartados. A doença atinge 15 estados e o Distrito Federal. Em nível mundial, foram registradas 7.074 mortes pelo coronavírus, de acordo com monitoramento da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. O número de infectados é de pelo menos 168 mil.
Enquanto o ministério da Saúde brasileiro fala em diminuir a circulação de pessoas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu que apenas idosos adotassem o isolamento contra a doença.
A avaliação no meio político é a de que o pacote de R$ 147 bilhões anunciado por Guedes para medidas emergenciais contra o coronavírus ainda é pequeno perto dos alertas de quebradeira que chegam do setor privado, principalmente das companhias aéreas, ainda não atendidas pelo governo. 


Participantes da Líder, que administra o DPVAT (Seguro Danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre), viram no pacote de Guedes espécie de revanche, porque é a segunda vez que o governo tenta usar o dinheiro da reserva de acidentes no trânsito. A primeira foi no começo do ano, quando Bolsonaro tentou zerar o DPVAT, mas o Congresso barrou a medida. 
Bolsonaro convocou atos, mesmo com o maior risco de novos casos por causa das aglomerações, o que gerou muitas críticas de parlamentares e de colunistas da imprensaa, até porque ele já havia dito que a pandemia do coronavírus é “fantasia propagada pela mídia”.


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário