segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Mourão diz aos EUA que Brasil não entrará em guerra e peita Bolsonaro, que quer atacar

O vice-presidente Hamilton Morão disse na Colômbia que a posição brasileira na reunião dos países que integram o Grupo de Lima será a de manter a linha de não intervenção na Venezuela. O Brasil vai argumentar entre os países do grupo que uma pressão diplomática é melhor que um ataque irracional. De maneira reservada, militares brasileiros reforçam que uma intervenção militar na Venezuela criará instabilidade na região. 
A reportagem do site G1 destaca a fala de Mourão: "vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras".

E acrescenta: "a posição brasileira será um contraponto de um eventual movimento dos Estados Unidos em defesa de intervenção na Venezuela. Ao Brasil não interessa um conflito armado num país vizinho. Questionado sobre a sinalização dos EUA em defesa da intervenção, Mourão reconheceu o movimento americano neste sentido."



Sobre os próximos passos, a matéria ainda informa: "a reunião em Bogotá acontece dois dias depois da tentativa de envio de ajuda humanitária à Venezuela pelas fronteiras do Brasil e da Colômbia. O Grupo de Lima é formado por 14 países das Américas. Destes, apenas o México não reconhece o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Guaidó participará do encontro de cúpula, que também terá a presença do vice-presidente dos EUA, Mike Pence."


 Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário