sexta-feira, 19 de abril de 2019

Vídeo: Professor filmado em sala de aula criticando Bolsonaro é demitido:’Governo pior que a ditadura’

Um professor de geografia foi demitido esta semana depois que um aluno gravou um vídeo em sala de aula, sem seu consentimento, quando ele fazia críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). A gravação viralizou na web. Ele era docente de uma escola particular em São José dos Campos, interior de São Paulo.
A imagem foi gravada na última terça-feira (16). Na aula, o educador começa falando sobre as eleições de 2018 e critica o presidente e as políticas de governo. A aula seria em uma classe de ensino médio.
Em um dos trechos, o docente diz: “Já parou pra pensar que esse imbecil que ganhou porque foi a maioria que votou? Então foi democrático, certo? […] Mas sabe o que é pior? É quando a maioria que ganhar quer que a outra parte se f*. Se a maioria ganha e quer ajudar o resto, é uma coisa, mas quando a maioria ganha e quer que o preto se ferre, o pobre se ferre, o gay se ferre e a mulher se ferre, aí é pior que uma ditadura”, disse o professor aos alunos.
Em dois momentos do vídeo, que tem pouco mais de um minuto e meio, alunos tentam argumentar e dialogar com o professor, mas ele não dá oportunidade.
O professor lembrou ainda a presença da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, na posse do presidente. “Lembra que a mulher dele foi lá, linda fazer discurso pra surdo? O que ele fez no dia seguinte? Ele excluiu a pasta que cuida dos direitos de todos os surdos”, acrescentou.
Assista:
Depois que o vídeo viralizou e chegou ao conhecimento dos pais dos alunso, estes, em contato com a direção do colégio, criticaram a posição do professor. A direção decidiu, então, desligá-lo nessa quinta-feira (18).
Em sua página no Facebook, o Colégio Escola Poliedro divulgou uma nota sobre o caso.
Facebook/Reprodução
Leia a nota na íntegra:
Sobre o vídeo publicado nas redes sociais com um trecho de aula de um professor, a Direção do Colégio Poliedro de São José dos Campos informa:
As diretrizes do Colégio são amplamente esclarecidas no processo de contratação de professores e também durante as reuniões pedagógicas. A instituição zela pelo ambiente de aprendizagem e estabelece regras para professores e alunos. As orientações incluem usar uma linguagem adequada ao ambiente acadêmico e também indicações explícitas sobre o não posicionamento político-partidário ou ideológico que possam provocar qualquer compreensão equivocada sobre aquilo que é conteúdo programático da disciplina e aquilo que é opinião do professor.
Em virtude dos pontos mencionados, o docente foi desligado da instituição. Independentemente do posicionamento pessoal do professor, o que buscamos foi nos manter dentro dos princípios e valores da instituição.
Reiteramos que a escola é um espaço para a pluralidade de ideias e para o diálogo, que favoreça o desenvolvimento intelectual e ajude o aluno a formar suas próprias convicções com respeito a visões divergentes.
A Direção destaca que não é permitido, sem autorização do professor, que os alunos usem aparelhos eletrônicos para gravar ou filmar as aulas e tampouco aprova qualquer atitude que possa coibir a atividade docente em suas diferentes dimensões.
O Poliedro reitera sua seriedade e comprometimento com a educação dos alunos e a formação de bons cidadãos.
Na aba de recomendações do colégio na página do Facebook, duas pessoas não recomendaram a escola, por não respeitar o professor demitido:
Facebook/Reprodução

Fonte: BHAZ 
Reações:

Um comentário:

  1. A Globo é a principal responsável. Sem que decemos conta, o governo do presidente eleito Jair Messias Bolsonaro, e eleito democraticamente diga-se de passagem, e quanto a isso não há o que se questionar, ainda que se questione as condições que providenciaram uma eleição improvável, foi agregando-se um general e outro e outro e outro, e ai está uma ditadura no Brasil em Pleno seculo XXI.

    E ai temos que dizer que nada pode ser pior que isso, economicamente, porque nenhum país do mundo vai fazer negocios com países antidemocráticos. Para a tão sonhada democracia é um golpe fatal. Para as garantias individuais e colerivas uma tragédia. Iguamente trágico é para o estado de direito que a partir de agora passa a ser limitado pelo poder das armas.

    Adeus democracia. Até breve, espero.

    O que começou com uma desculpa do MPF de combater a corrupçao, levou nosso país a uma fragilidade tamanha que o fim não poderia ser nada além de catastrófico.

    A sede de poder da republica de curitiba cirminalizou a política e ao fazer isso criou-se uma oportunidade ímpar para entrada e estruturação do nazifacismo acolhido pelo estrema direita. (Hoje como fica cada dia mais evidente é na verdade um clubinho que congrega de milicianos a empresários picaretas.)

    Na justiça o corporativismo limitou e anestesiou o bom senso, não se permitindo perceber o tamanho do monstro que se alimentava dos restos de seu corpo putrefato. E não ha esperança agora. Provavelmente se amputarão os menbros grangrenados e lançarão aos abutriz que a essa altura ja estão a espreita observando o seu agonizar, anciosos pela refeição farta que farão.

    Do congresso nacional não se pode essperar muita coisa. não vou nem discorrer sobre.

    Agora é eperar que aquele gigante invencível que iberna dentro de cada um de nós acorde e equilibre essa balança, ele é a única esperança. Sem ele o " futuro" é só uma campo vazio devastado pela ignorância humana.



    ResponderExcluir