domingo, 29 de setembro de 2019

Eliane Cantânhede já compara Lava Jato a um Titanic

"Com a sucessão de eventos da semana passada, a Lava Jato começa a ir a pique como o Titanic. Hackers, The Intercept Brasil, Supremo, Congresso, Planalto e, agora, a absurda, inacreditável, chocante história do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que entrou armado na mais alta corte do País para assassinar o ministro Gilmar Mendes", diz a jornalista Eliane Cantânhede, em artigo publicado neste domingo.


"Depois das ’flechadas’ contra Michel Temer, Janot queria assassinar Gilmar a tiros. Não tirou o mandato de um nem a vida do outro, mas acaba de matar sua própria reputação. Procuradores são servidores públicos e ele não era apenas um procurador qualquer, era o procurador-geral e estava disposto a cometer não um crime qualquer, mas o mais grave de todos: assassinato. E de um ministro do Supremo!", diz ainda a colunista, que afirma que Janot agia como justiceiro.


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário