quinta-feira, 19 de março de 2020

'Ele debochou da saúde pública': médicas que votaram em Bolsonaro contam por que aderiram a panelaço

Resposta de Bolsonaro à crise do coronavírus é apontada como motivação para voltar a protestar agora por entrevistados que foram às ruas contra Dilma Rousseff.



Presente em protestos contra a ex-presidente Dilma Rousseff em 2016, a médica Natália Freire, de 45 anos, participou também de panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro na quarta-feira, em sua casa em Bragança Paulista, no interior paulista.


"Vi que em São Paulo está bombando, queria estar aí", disse a médica à BBC News Brasil poucos minutos depois do fim do panelaço — que estava marcado para às 20h30, mas começou mais cedo em diversos bairros da capital paulista.


Em São Paulo, a cirurgiã Juliana Pacheco, de 35 anos, compartilha do descontentamento da colega do interior com as decisões do presidente. Em seu prédio no bairro do Ipiranga — onde está em isolamento em casa por suspeita de coronavírus — ela disse que ouviu muita gente gritando.
"É um momento em que precisamos ter pessoas serenas na governança do país e a gente não tem. O pessoal começou a cair a ficha mesmo", disse.
Eleitora de Bolsonaro em 2018, a cirurgiã conta que ainda se considerava uma apoiadora até alguns dias atrás — quando o presidente compareceu a uma manifestação a favor do governo e cumprimentou diversos seguidores pouco tempo depois do Ministro da Saúde ter aconselhado as pessoas a evitarem aglomerações.
"Eu fui me decepcionando com ele gradualmente desde a eleição, mas para mim a gota d'água, como profissional de saúde, foi ver ele apoiando os protestos do dia 15", conta a BBC News Brasil.


"Muitas pessoas ainda têm receio de aderir às medidas sanitárias de urgência porque ele criou essa narrativa de que não é nada demais, de que é histeria. Porque apesar de ele negar, ele incentivou sim, quando foi lá e quando disse que o povo é valente (por ir às ruas). Ele debochou dos médicos e da saúde pública", afirma Juliana.
Natália foi aos protestos contra Dilma e agora fez panelaço contra Bolsonaro
Natália foi aos protestos contra Dilma e agora fez panelaço contra Bolsonaro
Foto: Arquivo pessoal / BBC News Brasil
A médica paulista Elisa Freitas conta que foi a favor do impeachment, fez campanha por Bolsonaro em 2018 e agora "foi obrigada a volta a bater panela".
"Eu já não gostava da grosseria, dos discursos, mas achei que o Bolsonaro teria políticas melhores do que o PT porque tinha um bom time, como o Sérgio Moro e o Paulo Guedes", diz Elisa.
"(A forma) como ele desrespeitou o próprio ministro (da Saúde, Luiz Henrique Mandetta) mostra que não está preocupado com a crise (do coronavírus), que sua atitude é só política."


Leia mais aqui
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário