sábado, 9 de março de 2019

Mesmo com provas de corrupção, Bolsonaro se recusa a demitir ministro do Turismo

A permanência do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, gerou uma divisão no governo Jair Bolsonaro. De um lado, o presidente Jair Bolsonaro, que resiste a afastá-lo, e, de outro, militares que desde a época da transição não defendiam o nome de Álvaro Antônio para o cargo. 

Deputado federal e presidente do PSL em Minas, Marcelo Antonio é o pivô do uso de candidaturas laranjas em Minas Gerais. Em depoimento, pelo menos uma delas relatou que recebeu do então candidato a deputado federal um pedido para que devolvesse parte dos valores recebidos do fundo eleitoral. Outras quatro mulheres também procuraram os investigadores pedindo para prestar depoimento nesse mesmo sentido.



Segundo os jornalistas Julia Lindner e Tânia Monteiro, do jornal Estado de S.Paulo, interlocutores diretos do presidente se preocupam com um desgaste prolongado com o surgimento de mais denúncias contra o ministro. Ao ser questionado nesta sexta-feira, 8, por jornalistas sobre se o caso não estaria gerando constrangimentos ao governo, Bolsonaro respondeu: "Deixa as investigações continuarem". Em seguida, o presidente encerrou a rápida coletiva de imprensa, concedida após cerimônia na qual seis embaixadores entregaram as credenciais ao Planalto.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, já afirmou que, caso fique comprovado que o ministro cometeu irregularidades, ele será demitido.


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário