domingo, 8 de agosto de 2021

Miriam Leitão prevê o golpe bolsonarista: ataque à urna, milícia nas ruas, confusão e no fim convocação aos militares


O GloboA jornalista Miriam Leitão, que contribuiu para o golpe dos neoliberais contra a democracia brasileira, com a farsa das "pedaladas fiscais", especula na sua coluna deste domingo, no jornal O Globo, sobre como será o golpe fascista de Jair Bolsonaro, em 2022. "Bolsonaro está querendo criar um clima de convulsão social, como aquele que levou trumpistas a invadirem o Congresso americano. Já está preparando o momento seguinte à perda do poder, mobilizando milícias bolsonaristas digitais e reais para que na confusão ele possa invocar o uso das Forças Armadas", escreve.

"Uma autoridade de Brasília, que tem interlocutores entre militares, faz as seguintes reflexões. Se houver um clima de convulsão social, só o presidente pode convocar as Forças Armadas. Isso é privativo do chefe do Executivo, que é o comandante em chefe. É isso que Bolsonaro planeja. Desde o começo do governo, o presidente tem assediado os militares para que demonstrem apoio político a ele. Os da ativa que discordam seguem o regulamento e nada falam. Os que são ligados ao presidente se manifestam. O general Braga Netto, pessoa de índole autoritária, é da reserva, mas como ministro da Defesa tem tentado envolver os comandantes militares em seus movimentos. O comandante do Exército estava em um voo e só soube da nota contra a CPI quando pousou. Não gostou, mas nada fez. Outros integrantes do Alto Comando do Exército têm feito fortes críticas internas à maneira como Braga Netto tem empurrado as Forças Armadas para o apoio a Bolsonaro", prossegue Miriam.



"Bolsonaro se alimenta, na preparação do seu golpe, da confusão institucional, do ataque à urna eletrônica para estimular a dúvida sobre o processo eleitoral e da convulsão social que está instigando. Ele já avançou muito em seu projeto. Não há diálogo que o modere, porque Bolsonaro precisa da crise", finaliza.

0 comentários:

Postar um comentário