quarta-feira, 7 de julho de 2021

Investigações da Lava Jato destruíram mais de 200 mil empregos diretos e indiretos no Brasil


  Poder 360 -Envolvidas nas investigações da operação Lava Jato, a Petrobras e as construtoras Odebrecht, OAS, UTC, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez, Carioca Engenharia e Camargo Corrêa fecharam 206,6 mil vagas de emprego de 2013 a 2020.



A estimativa, feita pelo Poder360, refere-se ao máximo de empregados que havia antes da operação nessas 8 companhias e ao que as empresas têm agora. Não foram consideradas eventuais variações no período, para mais ou para menos.







A Odebrecht, gigante da construção civil, cortou 94% do quadro de funcionários em 6 anos (de 126 mil em 2013, antes da Lava Jato, para 7.548 em 2020). Nas investigações, a operação desvendou um esquema de corrupção em que executivos da empreiteira pagavam propinas a políticos e funcionários públicos para obter obras. Marcelo Odebrecht, então presidente e herdeiro da companhia, foi preso em junho de 2015. O grupo baiano teve que entrar em recuperação judicial e passar por uma reestruturação.



Na UTC, que tinha 16.907 trabalhadores contratados em 2013, o número de pessoal contratado caiu para 1.559 em 2020. A construtora também está em processo de recuperação judicial, no qual a Justiça autoriza a postergação do pagamento de algumas dívidas para permitir a solvência da empresa.

No caso da Petrobras, as demissões não podem ser predominantemente associadas à Lava Jato. Por decisão estratégica, a estatal vem reduzindo o contingente de funcionários ano a ano. No fim de 2020 tinha 51.950 colaboradores, uma redução de 39,7% em relação a 2013 –antes de a Lava Jato ir às ruas, quando a petroleira tinha 86.108 trabalhadores.



Nem todas empresas envolvidas na Lava Jato têm publicado ou informado o número de colaboradores demitidos. Saiba aqui detalhadamente como o Poder360 apurou as perdas nas empresas investigadas pela operação.

0 comentários:

Postar um comentário