segunda-feira, 5 de julho de 2021

Gravações revelam o que Bolsonaro sempre foi e agravam situação política

         


UOL  -Jair Bolsonaro sempre foi corrupto e transmitiu aos filhos a tecnologia de enriquecimento ilícito por meio da rachadinha. O esquema é se apropriar dos salários de funcionários fantasmas indicados nos gabinetes parlamentares de Jair Bolsonaro e seus filhos políticos Flávio, Carlos e Eduardo.

Reportagem de Juliana Dal Piva, no UOL, revela áudios bombásticos de uma ex-cunhada do presidente, a fisiculturista Andrea Siqueira Valle. Ela conta que Bolsonaro demitiu André Siqueira, irmão dela e ex-cunhado do presidente, porque ele se recusava a entregar a maior parte do salário de assessor fantasma do então deputado federal.

"O André deu muito problema porque ele nunca devolveu o dinheiro certo que tinha que ser devolvido, entendeu? Tinha que devolver R$ 6.000, ele devolvia R$ 2.000, R$ 3.000. Foi um tempão assim até que o Jair pegou e falou: 'Chega. Pode tirar ele porque ele nunca me devolve o dinheiro certo'.", diz Andrea nas gravações obtidas pelo UOL.



Numa série de três reportagens, Dal Piva traz novas evidências de que Bolsonaro e familiares construíram seus patrimônios à sombra da corrupção. O pai ensinou os filhos a cometer peculato, entre outros comportamentos que contrariam o Código Penal.

A rachadinha bolsonarista tinha, pelo menos, dois recolhedores da apropriação indébita e fraudulenta: o já conhecido Fabrício Queiroz, um ex-policial militar ligado à milícia do Rio, e o agora revelado Guilherme Hudson, um coronel da reserva do Exército e tio da ex-cunhada de Bolsonaro.

O advogado da família, Frederico Wasseff, negou as acusações. Mas os áudios são demolidores para Bolsonaro e filhos. Vale ouvi-los.

A situação política do presidente, que já vinha piorando, agrava-se ainda mais. O governo entrou numa espécie de liquidificador político, com fatos negativos que se sucedem e aumentam o desgaste.

As revelações do UOL reforçam a imagem de corrupto, carimbo que a CPI da Pandemia conseguiu colar em Bolsonaro ao investigar dois casos nebulosos de tentativa de compra de imunizantes (Covaxin e Davati).

Nas manifestações de sábado, "ladrão de vacinas" era uma frase presente em cartazes e palavras de ordem.

Na noite de domingo, Bolsonaro foi ao Twitter fazer insinuações supostamente contra um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal). O presidente sugeriu haver gravações comprometedoras numa série de tuítes em carluxês.

Mas o presidente amanheceu na segunda com gravações que mostraram ao país o que ele sempre foi: um político desonesto e menor que enriqueceu subtraindo dinheiro de funcionários fantasmas.

Dois cúmplices de Bolsonaro na pandemia, o procurador-geral da República, Augusto Aras, e o presidente da Câmara, Arthur Lira, terão dificuldade para continuar a engavetar denúncias e pedidos de impeachment, mas poderão cobrar mais caro para continuar a proteger um criminoso em série contra a democracia, a saúde pública e o erário.

A vida não tá fácil para ninguém.



0 comentários:

Postar um comentário