sexta-feira, 2 de abril de 2021

PDT pode desistir de Ciro e fazer acerto com o Centrão e a Direita.

 


O PDT pode abrir mão da candidatura presidencial de Ciro Gomes em 2022 em busca de consenso com partidos da direita e de “centro” para lançar um único nome, segundo o Valor Econômico.



Ele é um dos possíveis pré-candidatos que assinaram um manifesto articulado por Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde do governo Jair Bolsonaro.



A ideia do PDT surgiu justamente após a divulgação do manifesto, que apareceu como um tipo de frente para as eleições de 2022.

Manifesto diz que ‘democracia brasileira é ameaçada’

Em um manifesto divulgado no começo da noite desta quarta-feira, 31, os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), mais o apresentador Luciano Huck e o ex-presidenciável João Amoedo (Novo) afirmaram que a democracia brasileira é ameaçada. Nesta quarta completou-se 57 anos do início da Ditadura Militar (1964-1985) no Brasil.




De acordo com o manifesto, “exemplos não faltam para nos mostrar que o autoritarismo pode emergir das sombras, sempre que as sociedades se descuidam e silenciam na defesa dos valores democráticos”.

“Muitos brasileiros foram às ruas e lutaram pela reconquista da Democracia na década de 1980. O movimento ‘Diretas Já’ uniu diferentes forças políticas no mesmo palanque, possibilitou a eleição de Tancredo Neves para a Presidência da República, a volta das eleições diretas para o Executivo e o Legislativo e promulgação da Constituição Cidadã de 1988. Três décadas depois, a Democracia brasileira é ameaçada”, afirmaram.

Os signatários do manifesto fizeram uma convocação por uma união nacional. “Homens e mulheres desse país que apreciam a liberdade, sejam civis ou militares, independentemente de filiação partidária, cor, religião, gênero e origem, devem estar unidos pela defesa da consciência democrática. Vamos defender o Brasil”, disse.

Breno: Ciro conclui seu rompimento com o campo progressista

O jornalista Breno Altman usou as redes sociais para afirmar que ao assinar um manifesto encabeçado pela centro-direita, o ex-ministro Ciro Gomes “conclui sua ruptura com o campo progressista”.

“Ao assinar manifesto com Doria, Amoedo, Huck, Mandetta e Leite, Ciro Gomes conclui sua ruptura com o campo progressista. Busca, de todas as maneiras, uma aliança que o coloque como o candidato nem-nem, contra Bolsonaro e contra Lula, ao lado da oposição de direita”, escreveu Altman no Twitter.

Fonte: Brasil 247

0 comentários:

Postar um comentário