terça-feira, 21 de abril de 2020

Jogo perigoso: Bolsonaro e seguidores avançam e recuam testando os limites das instituições

Para apoiadores de Bolsonaro, insinuar golpe deixou de ser tabu

A participação do presidente no ato do último domingo (19), em Brasília, discursando para manifestantes que pediam quebra institucional, exacerbou essas opiniões




Não é ainda a defesa aberta de uma intervenção militar ou de um novo AI-5. Mas claramente, para uma parte significativa da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro, justificar algum tipo de medida de exceção deixou de ser tabu.

A participação do presidente no ato do último domingo (19), em Brasília, discursando para manifestantes que pediam quebra institucional, exacerbou essas opiniões. Como costuma acontecer, elas vêm embaladas num discurso de autodefesa.Seria uma reação à "ditadura" posta em marcha por uma aliança entre a esquerda e governadores, que impedem a livre circulação e esvaziam o poder presidencial.



É necessário, assim, por esse raciocínio, antecipar-se a esse movimento. Se alguém percebeu nessa retórica alguma semelhança com a que levou ao golpe de 1964, não está delirando.É fácil achar exemplos nos últimos dias.Principal expoente da tropa de choque digital de Bolsonaro, Allan dos Santos escreveu um tuíte com uma lógica um tanto circular para justificar uma intervenção militar. Se entendi bem, o que ele está dizendo é que não se pode proibir as pessoas de defenderem a intervenção. Se isso acontecer, aí é que precisamos mesmo de uma intervenção.



Líder do movimento chapa branca Nas Ruas, Tomé Abduch escreveu que "ainda" é a favor da democracia. Mas alertou: sua paciência com esse sistema está acabando.O empresário e ativista conservador Leandro Ruschel compartilhou em suas redes sociais foto de manifestação em frente a um quartel no Rio de Janeiro pedindo intervenção militar. Antes, havia feito um chamado às Forças Armadas para "derrubar o establishment podre".

á vozes exaltadas entre parlamentares também. Um exemplo é o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Em uma live, ele lamentou "a impotência de não podermos modificar [o Brasil] do dia para a noite, salvo se as Forças Armadas dissolverem STF, Parlamento e tudo".Seu colega Bibo Nunes (PSL-RS) justificou os pedidos de golpe em razão de uma campanha injusta contra o presidente.



Como é habitual no método de Bolsonaro, cada avanço destes gera uma reação imediata que leva a um recuo momentâneo. Assim, o presidente recolheu as armas na segunda-feira (20), e chegou a dizer que ele e a Constituição são indissociáveis.



Nas redes sociais, seus comandados fizeram o mesmo, e pipocaram juras de amor à democracia.Até, claro, esse ciclo vicioso recomeçar, o que não deve demorar muito.


Fonte: Notícias ao minuto

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário