quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Risco maior do Brasil não é o coronavírus, mas a insanidade de Bolsonaro, diz Miriam Leitão

"A economia é ameaçada por uma pandemia, mas internamente o risco maior que o Brasil corre é provocado pelo comportamento insano do presidente da República", diz ela


A jornalista Miriam Leitão, que também apoiou o golpe de estado de 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff, hoje reconhece que o risco maior para a economia brasileira não é o coronavírus, mas sim a insanidade de Jair Bolsonaro, que compartilhou vídeo a favor de manifestação contra o Congresso Nacional. "O presidente Bolsonaro compartilhar vídeos de uma manifestação com o objetivo de atacar um dos poderes é gravíssimo. Tentar reduzir o peso do fato é uma forma de colaborar com o avanço cada vez mais perigoso do atual governo contra as bases da democracia. Um vídeo é pior do que o outro, mas as mensagens são inequívocas, a ideia é acuar o Congresso. Todo o problema da execução do Orçamento foi criado pelo próprio governo quando fechou um acordo inaplicável de que partes das despesas dos ministérios passariam pelo Congresso. E esse acordo pode ser desfeito, mas em vez disso o presidente prefere radicalizar", escreve ela, em sua coluna no Globo.

"A quarta-feira de cinzas já seria difícil no mercado financeiro, portanto, a forte queda de ontem estava dentro do previsto. Como os preços das ações caíram muito nos dias em que a bolsa brasileira ficou fechada, haveria uma correção. O problema não é essa queda, que chegou a 7%. A economia é ameaçada por uma pandemia, mas internamente o risco maior que o Brasil corre é provocado pelo comportamento insano do presidente da República", aponta a jornalista.
"A essa altura não há mais autoengano possível. Ele sabe o que faz, quer acuar o Congresso, não conhece os limites impostos pelo regime democrático ao exercício do poder do Executivo, quer manipular a ideia de que está sendo impedido de governar pelos políticos e pelo Supremo", lembra ainda Miriam Leitão. "Bolsonaro compensa sua frustração militar, de não ter feito uma carreira da qual se orgulhar, alimentando o delírio de que comanda as Forças Armadas em uma guerra. E quem é o inimigo? A imprensa, o Congresso, o Supremo. A democracia", finaliza a jornalista.


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário