terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Gugu pagou indenização para se livrar de processo por abuso sexual de menino de 14 anos

No dia 27 de agosto de 2017, o Diário da Justiça publicou uma decisão do Fórum Central Cível de São Paulo, em que o DJ Leandro Kloppel Lo Frano renunciava à ação que movia contra Antônio Augusto Moraes Liberato, o Gugu.
Em consequência do ato, foi extinto o processo de número 1049937-02.2013.8.26.0100, que tramitou sigilosamente durante quatro anos e que descreve uma situação de abuso sexual cometido por Gugu e por um empresário desde que Leandro tinha 13 anos de idade.
O motivo da desistência é que Gugu indenizou Leandro, que pedia na ação 10 milhões de reais. Gugu teria pago 1 milhão de reais e arcado com as honorários advocatícios.
O DCM recebeu a inicial do processo de uma fonte que terá seu nome protegido e decidiu publicar a reportagem em razão do interesse público, já que se trata da revelação de um esquema de exploração sexual que envolveu, de um lado, um menor de idade, recém saído da infância, e, de outro, uma poderosa máquina de shows e entretenimento sob controle de Gugu.
“O requerido (Gugu) se utilizou do seu prestígio, que é público e notório, para, juntamente com a sua rede de malfeitores, abusar sexualmente do requerido, sob a chancela de fazê-lo mais um astro de televisão”, escreveram os advogados de Leandro.
“Corrompeu-lhe de ambição, a ponto de cegá-lo e de tirar do requerente(Leandro) o direito de fazer suas próprias escolhas”, acrescentaram Marcos Rogério Ferreira e Thúlio Caminhoto Nassa, no texto que abre o processo.
Sempre de acordo com o relato do processo, a vida de Leandro se encontrou com a de Gugu em 1997, quando, aos 13 anos de idade, ele foi chamado para fazer um teste para a formação de um novo grupo musical, que se chamaria Boomerang, “sob a regência da equipe do requerido, o Sr. Gugu Liberato”.
Filho de um caminhoneiro e de uma dona de casa, residindo em Santo André, na Grande São Paulo, Leandro já trabalhava como modelo fotográfico desde os 9 anos de idade, na agência Pro-Art.

“Na época, o ‘Programa do Gugu’ tinha como assessor ou produtor (não se sabe ao certo qual a designação do cargo ocupado) o Sr. Francisco Suassuna (vulgo Ramon), que teria sido incumbido de organizar a seleção dos candidatos”, contaram os advogados.
O teste foi na escola de dança Rita Camilo, em Guarulhos, São Paulo. O processo de escolha ocorreu a portas fechadas, de forma individualizada, e não se destinava à avaliação da qualidade vocal ou habilidade para dança, “mas, primordialmente,ao estereótipo físico e ao tamanho do pênis”.
Para tanto, Ramon pedia que os candidatos se masturbassem na sua frente, “para que a virilidade do garoto fosse apreciada”.
Os candidatos, naturalmente, estranhavam e alguns reclamavam, mas Ramon os convencia com o argumento de que o tamanho do pênis seria importante “porque terá uma parte do show da banda em que os integrantes ficarão apenas de toalha”.
“Envergonhados, nitidamente assustados, se sujeitavam àquilo em razão do Sr. Ramon dizer que, apesar do constrangimento, eles seriam muito famosos caso a ‘equipe’ os escolhesse. Afinal, trabalhariam diretamente com o Sr. Gugu Liberato”.
Leandro foi um dos cinco escolhidos e só seria apresentado a Gugu seis meses depois. Logo após ser comunicado da seleção, Leandro foi morar em uma casa na Vila Maria, onde há escritórios do SBT, a emissora onde Gugu tinha os seus programas de auditório.
O pretexto utilizado por Ramon para convencer os pais a autorizarem a mudança dos adolescentes é que os ensaios seriam intensos até a estréia do grupo.
“Os pais do requerente (Leandro), assim como os pais dos demais integrantes, que desconheciam o absurdo processo de seleção, sentindo-se seguros pelo prestígio que cercava até então o Sr. Gugu Liberato, que vivia o auge de sua fama em rede nacional, resolveram aceitar a condição imposta e liberar os meninos”, narram os advogados.
Na casa, os adolescentes descobriram que o “teste do sofá” ia além da masturbação diante do empresário.
“Durante seis meses, entre alguns ensaios e algumas aulas, lá estava o Sr. Ramon bulinando um aqui, outro acolá. Ora atacava os meninos quando tomavam banho, ora quando dormiam, razão pela qual os garotos procuravam não mais ficar sozinhos na casa. Pelas investidas, o Sr. Ramon ganhou dos garotos o apelido de ‘sabonete’”.
Ramon, primeiro à esquerda; Leandro está à direita: no Telegrama Legal do Gugu
Nesse período de preparação para a banda, Ramon teria levado os adolescentes para conhecerem diretores de televisão, que eram homossexuais, e argumentava que esta era uma das formas de viabilizar o empreendimento.
Quase no fim do período de ensaios, eles foram levados para a casa do Gugu, em Aldeia da Serra, na Grande São Paulo, para uma festa de apresentação, regada a espumante Viúva Negra, o preferido do apresentador.
Leandro já tinha completado 14 anos e, depois desta primeira festa, participou de outra, também na casa de Gugu. Segundo o relato, além do apresentador, estavam presentes Rodolfo, da dupla ET e Rodolfo, o produtor do Domingo Legal Mariano e Ramon.
Leandro se recorda de que comentários como “que delícias” e “que corpo, hein!” eram comuns. Acomodados em sofás e poltronas, os adultos pediram para que os garotos se “pegassem” enquanto eles olhavam.
Num intervalo, Ramon se aproximou de Leandro e disse que Gugu teria gostado muito dele, e o orientou a ir até o quarto do apresentador na mansão, para que pudessem ficar mais reservados.
Sozinho com o menino, Gugu teria sido gentil com ele e teria feito “questão de demonstrar o seu poder, suas conquistas e tudo o que poderia proporcionar a Leandro”
“Nesta oportunidade — diz o relato —, apenas trocas de carícias aconteceram entre os dois. Fato é que, depois desse dia, o Sr. Ramon e ninguém mais da equipe do Sr. Gugu Liberato bulinou o requerente (Leandro).
Gugu também teria lhe dito que outros artistas jovens fizeram sucesso “em razão da proximidade que tinham com ele”.
Uma ou duas semanas depois da segunda festa na casa de Gugu, o Boomerang fez sua estréia na TV, com uma apresentação no programa de Carla Perez, ex-dançaria do grupo É o Tchan.
Logo em seguida, eles se apresentaram no programa “Sabadão Sertanejo”, do próprio Gugu. Também participaram do Programa Livre, no mesmo SBT, atração que já não era mais apresentada por Serginho Groisman, mas por Babi.
Também foram no Bom dia e Companhia, também na emissora de Sílvio Santos, em que Leandro foi apresentado como “loirão” da banda.
“Boom, boom, boom, boomerang”, começam a cantar.
Em seu programa, Gugu apresentou a banda nos seguintes termos: “Eles ainda não gravaram, mas cantam nos shows a música que todo mundo conhece, Morango do Nordeste. Eles cantam no show, não é que gravaram o disco, eles cantam no show. E eu pedi para que eles viessem no programa cantar essa música. É o Boomerang”, diz enquanto gira na direção dos rapazes.
No Domingo Legal, Gugu os promoveu também através do quadro Telegrama Legal, em que um ator que se passa por repórter pergunta a um dos integrantes:
“É complicado o fato de vocês serem bonitos, serem jovens e, de repente, fazerem sucesso? Não confundem muito a beleza com o talento?”
Era esse o lado público da banda. Nos bastidores, a relação era de outra natureza. Para comemorar o lançamento nacional, os meninos da banda, o empresário, diretores do programa e Gugu foram jantar no restaurante japonês Nacombi, em São Paulo.
Após muitas doses de saquê, Leandro saiu com Gugu e, segundo ele, foram para o apartamento do apresentador na rua da Consolação, também na capital, perto do Nakombi.
Esta foi a primeira noite em que dormiram juntos, segundo o relato apresentado à justiça. Leandro tinha apenas 14 anos de idade.
Leandro, na época em que a banda foi lançada
Quando completou 18 anos, como presente de aniversário, Leandro ganhou de Gugu uma viagem a Orlando, onde conheceu a Disney. O empresário Ramon acompanhou a dupla.
Para obter visto de entrada, Gugu assinou documento perante as autoridades norte-americanos como responsável financeiro de Leandro.
Na volta, ele contou ao apresentador que estava namorando uma jovem da sua idade e que não pretendia levar adiante o relacionamento com Gugu.
O apresentador teria concordado, mas pouco depois começou a telefonar e a enviar e-mails para Leandro, que já tinha se casado com a jovem, que estava grávida.
A mulher descobriu os e-mails e o casamento, pouco depois, acabou. A esta altura, eles já tinham uma filha.
A banda também tinha acabado, mas Leandro continuava sob a influência de Gugu, como dançarino de seus programas no SBT.
Em 2007, quando já tinha 23 anos, separado fazia algum tempo e sem deslanchar na carreira musical ou de dançarino, Leandro foi para Ibiza, na Espanha, por sugestão de Gugu.
Fez curso de DJ e de inglês, patrocinado pelo apresentador. Quem o recebeu em Ibiza foi um amigo de Gugu, Júnior Brasil.
“Sem condições para compreender o real interesse do requerido (Gugu), que era mantê-lo bem distante do Brasil, mas sob suas rédeas, mesmo bastante sentido por ter de se distanciar da sua filha, o requerente (Leandro) aceitou a oferta e foi morar em Ibiza”, destacaram os advogados no processo.
Gugu bancava Leandro na Europa, embora este trabalhasse como DJ. Leandro apresentou comprovantes de depósitos de Gugu em sua conta, dinheiro que, algumas vezes, era destinado a alugar uma casa para ele e o apresentador se encontrarem.
O processo contém um vídeo que mostram amigos e amigas de Gugu consumindo cocaína e fumando maconha em festas dadas por eles.
Em meados de 2011, Gugu já tinha um novo namorado, segundo Leandro, e a relação dele com o apresentador terminou com inimizade.
Leandro foi acusado pelo novo namorado de Gugu de roubar bebidas na festa. Leandro contou que esperava ser defendido pelo apresentador, mas isso não aconteceu.
O ex-Boomerang mandou e-mail para Gugu em que expressava toda sua mágoa, mas depois recuou, segundo ele pressionado por Ramon. Os e-mails foram juntados ao processo.
Pelo que descreve, Leandro vivia em uma gangorra emocional com Gugu, que o teria levado à depressão.
Decidiu romper definitivamente com o apresentador e tentar retomar uma carreira artística no Brasil — sem Gugu. Mas não conseguiu e culpou o apresentador.
Uma produtora o encaixou na fase eliminatória para a formação do elenco da Fazenda de Verão da Record, em 2012.
Eram dois participantes e apenas um deles permaneceria no programa, em princípio escolhido pelo público.
Naquele ano, quem apresentou os participantes da Fazenda foi Gugu e, revertendo uma tendência do público, Leandro acabou excluído da atração.
O ex-Boomerang suspeitou de que Gugu tivesse manobrado nos bastidores para vetá-lo e, em razão disso, procurou um advogado, por sugestão da própria produtora.
Ele entende que sua exposição em rede nacional contrariava Gugu. “Não era do seu interesse que o requerente ficasse exposto ao país no reality, com a possibilidade de, por exemplo, após uma festa regada a bebidas, acabar falando demais”.

  • Leia mais no DCM
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário