quarta-feira, 31 de julho de 2019

Bolsonaro avisa que manterá insultos e agressões à democracia

Jair Bolsonaro avisou em entrevista concedida ao jornal O Globo nesta terça-feira que irá manter os insultos e agressões ao país, às lideranças de oposição e dos movimentos sociais e à democracia; "O presidente Jair Bolsonaro tem um recado claro: ele não vai mudar", concluiu a jornalista Jussara Soares depois de 15 minutos de conversa no gabinete presidencial no Palácio do Planalto; "Sou assim mesmo", afirmou Bolsonaro


247 - Jair Bolsonaro avisou em entrevista concedida ao jornal O Globo nesta terça-feira (30) que irá manter os insultos e agressões ao país, às lideranças de oposiçao e dos movimentos sociais e à democracia. "O presidente Jair Bolsonaro tem um recado claro: ele não vai mudar", concluiu a jornalista Jussara Soares depois de 15 minutos de conversa no gabinete presidencial no Palácio do Planato. "Sou assim mesmo", afirmou Bolsonaro. Ele acrescentou: "Não tem estratégia. Se eu estivesse preocupado com 2022 não dava essas declarações".




Na entrevista, Bolsonaro revelou a razão de seu ódio ao presidente da OAB: a entidade não se dobrou ao desejo do presidente para que fosse, de maneira ilegal, quebrado o sigilo de um dos advogados de Adélio Bispo de Oliveira -a Constituição e a lei garantem aos advogados a completa inviolabilidade de seu exercício profissional. Informou a jornalista Jussara Soares: "Ao ser questionado a respeito de suas declarações sobre Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Bolsonaro voltou a se justificar, dizendo que a entidade atuou para que não se chegasse aos 'mandantes da sua tentativa de assassinato'. Ele insiste que a quebra de sigilo telefônico de um advogado de Adélio Bispo de Oliveira daria um novo rumo à história. A medida não foi adotada por um recurso da Ordem. Bolsonaro disse que não recorreu da decisão da Justiça, que classificou seu agressor como inimputável porque, ao ser enquadrado como portador de Transtorno Delirante Persistente, Adélio estará agora em 'prisão perpétua'".


Bolsonaro deixou claro que seu governo está a serviço das empresas mineradoras e que o horizonte é de devastação em escala inédita, avisando que pretender criar “pequenas Serras Peladas” no Brasil.
Mais uma vez, ele desdenhou do massacre de 58 presos em no presídio de Altamira, dos quais 16 foram decapitados, na maior carnificina em cadeias desde a registrada no Carandiru (SP) em 2001 e, indiretamente, sancionou a chacina: "Já disse pela manhã na porta do Alvorada. Você estava lá? Pergunte às vítimas dos facínoras. Pergunte para elas o que acham, não vou criar polêmica".


Fonte: Brasil 247
Reações:

Um comentário:

  1. Tudo o que está fazendo e falando já havia sido alertado na campanha eleitoral. O plano é entregar as riquezas nacionais, eliminar os direitos dos trabalhadores e colocar a política econômica nas mãos dos bancos privados (preferencialmente estrangeiros). O papel vem sendo bem desempregado e por isso os atores,independente do que digam,continuarão no poder nem que seja pela força das armas e pela cumplicidade criminosa da grande imprensa.

    ResponderExcluir