GOLPE DURO PARA BURGUESADA: Lula foi capa do maior jornal francês e Papa Francisco se manifestou

A carta de Lula, direto da prisão, foi capa de destaque do mais importante jornal francês, o Le Monde.

Rússia e China: pesadelo dos EUA se torna realidade

A nova política dos EUA em relação à China está levando à aproximação entre Moscou e Pequim, comenta o analista russo Timofei Bordachev.

URGENTE: Lava Jato pode ter fraudado documentos para incriminar Lula; CONFIRA CÓPIAS!

Surgem novos documentos que podem comprovar o que declarou o deputado Sibá em um encontro realizado no último sábado (5).

Lula preso sem provas, Paulo Preto ''com cem milhões" solto. Justiça?

Se alguém do campo progressista ainda tinha dúvidas sobre o posicionamento político do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram relembrados nesta sexta-feira, 11.

Engenheiros da Petrobrás dizem que política de preços de combustíveis beneficia grupos estrangeiros

A AEPET reafirma o que foi expresso no Editorial “Política de preços de Temer e Parente é ‘America First!’ “, de dezembro de 2017.

sábado, 14 de dezembro de 2019

Vox: aprovação de Lula aumenta e 60% consideram que governo Bolsonaro segue caminho errado

Segundo informa pesquisa da Vox Populi divulgada neste sábado, a aprovação de Lula saltou de 48% para 55%. Enquanto isso, para 60% dos entrevistados, o governo Bolsonaro segue no caminho errado



Uma pesquisa Vox Populi sobre o primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, feita a pedido do Partido dos Trabalhadores, realizada nos dias 2 a 10 de dezembro, revela que a popularidade de Lula aumentou. Em abril, enquanto ainda era preso político, Lula tinha 48% de apreciação. Já em liberdade, em dezembro, Lula obteve 55% de popularidade.


Já Bolsonaro segue o caminho oposto. 60% dos entrevistados consideram que o ocupante do Planalto segue no caminho errado e 34% consideram que ele está sendo um presidente pior que Lula.


A pesquisa Vox Populi consultou 2.004 pesssoas. 
Leia mais: 

Pesquisa XP aponta fracasso de Bolsonaro em áreas sociais, como saúde e educação

Do BR2pontos – Ainda bem que, segundo ele mesmo diz, o presidente Jair Bolsonaro não presta atenção em pesquisas. Os números do levantamento nacional divulgado nesta sexta-feira 13 pela XP Investimentos são mesmo um tanto assustadores para ele. O índice de avaliações ‘ruim/péssimo’ do governo subiu para 39%, configurando uma escalada de nada menos que 13 pontos percentuais desde abril. A taxa de ‘ótimo/bom’ ficou em 35%, enquanto 25% consideram a gestão ‘regular’.


No mano a mano de popularidade, o ministro da Justiça, Sergio Moro, obteve a maior nota entre os integrantes do governo, inclusive o próprio Bolsonaro, marcando 6,2 contra 5,4. A distância e a confirmação do melhor desempenho em outras pesquisas de opinião indicam que o ex-juiz ainda tem mais a crescer em contraponto ao presidente. Entre eles, encostado no chefe, Paulo Guedes apareceu com 5,5.



Combate à corrupção, com 21% de menções, economia (16%) e segurança (13%) aparecem como os setores melhor avaliados da gestão. Nas áreas sociais, o fracasso é latente, com 22% considerando a educação como a de pior desempenho da administração Bolsonaro e 18%, a saúde. O ministro Moro, até onde se sabe, não desdenha de pesquisas. Os novos números acalentam mais uma vez seus inconfessáveis planos de concorrer à Presidência da República em 2020. Ele não pode falar nada, caso contrário abriria uma guerra atômica com Bolsonaro – e sem dúvida seria posto para fora do governo, como quase Bolsonaro já fez em meados deste ano. A sorte de Moro é que ele nem precisa falar nada para saborear a vitória de agora: o governo não vai lá essas coisas, diz a população, mas ele tem mais prestígio que o presidente.


Fonte: Brasil 247

Coincidências? Homem que roubava dinheiro da mega-sena também é vizinho de Bolsonaro

Portal Forum - Usuários das redes sociais já inventaram um apelido para o condomínio onde morava o presidente Jair Bolsonaro e sua família na Barra da Tijuca, na capital fluminense: “Vivendas da Barra Pesada”. Isso porque descobriu-se, nesta sexta-feira (13), que o condomínio de luxo, além de residência de Bolsonaro e do PM miliciano apontado como o assassino de Marielle Franco, Ronnie Lessa, era lar de um golpista que foi preso na quinta-feira (12) sob a acusação de desviar grandes quantias de um ganhador da Mega-Sena.



O jornal Extra noticiou o caso, sem dar destaque para mais essa “coincidência” no condomínio da família Bolsonaro. “O esquema foi descoberto pelo milionário quando o homem começou a aparecer com roupas e acessórios de luxo, e iniciou uma obra de R$ 4,5 milhões num condomínio de alto padrão na Barra da Tijuca”, diz a reportagem.


Fonte: Brasil 247

Demitido e criticado por Bolsonaro, Ricardo Galvão vira cientista do ano

Demitido por Bolsonaro, por divulgar os dados do desmatamento, Ricardo Galvão aparece como cientista do ano na prestigiada revista científica Nature
O físico, Ricardo Galvão, demitido do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do governo Bolsonaro, por divulgar os dados do desmatamento na Amazônia, vai figurar entre os dez cientistas do ano, na revista Nature, referência mundial no campo da ciência.


A divulgação da lista e reconhecimento ocorre nessa sexta-feira (13). Ricardo Galvão, ex-presidente do INPE  é um dos dez especialistas que irá figurar no “Nature 10“, que premia os destaques na ciência mundial.
Bolsonaro chegou a declarar que Ricardo Galvão “estaria a serviço de ONGS’ para tentar desqualifica-lo e desqualificar os dados do desmatamento, que aumentaram ao maior nível dos últimos 11 anos.


Depois dos ataques de Bolsonaro, Ricardo Galvão, vira cientista do ano na Nature, parece até uma ironia.


A demissão de Galvão, em agosto,  causou forte repercussão na comunidade científica internacional e nacional.
“A comunidade internacional está horrorizada com o que estão fazendo conosco. É muito grave que o governo queira suprimir informações que são públicas desde 2003. A intenção do governo é manipular os dados, os fatos não interessam”, disse ) Antônio Nobre, especialista em rios voadores da Amazônia, pesquisador senior do INPE a BBC
Rômulo Batista, defensor do Greenpeace no Brasil, disse em entrevista ao The Guardian, que a demissão de Ricardo Galvão do INPE, era uma manobra do governo para esconder dados reais, ele afirmou que “Este não é um governo baseado em fatos, é um governo cujo modus operandi é a mentira”
“Se ele acha que, ao demitir um cientista de renome internacional e trazer alguém que vai esconder ou distorcer ou introduzir dados que não são verdadeiros, ele conseguirá transmitir a falsa impressão de que o desmatamento na Amazônia está sob controle, ele está muito enganado. Existem inúmeros outros sistemas de monitoramento que mostram a verdade.” disse Batista.
O prêmio, pode ser considerado como derrota simbólica de Bolsonaro, que tentou desqualificar Galvão e os dados do aumento do desmatamento trazidos pelo INPE. Depois de chamar Greta Thunberg de “pirralha” e ela ganhar o reconhecimento de pessoa do ano da Revista Times, agora Galvão, recebe o reconhecimento da prestigiada revista científica Nature, por seu trabalho.


Hacker de Araraquara diz que Procurador da Lava Jato recebia propina

Segundo o hacker que está preso, Januário Peludo, Procurador da Lava Jato em Curitiba, teria recebido propinas de ex-diretor da Petrobrás
“Tem um áudio em que o procurador está aceitando dinheiro do Renato Duque”, disse Walter Delgatti, o hacker de Araraquara, mais conhecido como Vermelho, em entrevista a VEJA, publicada hoje (13/12).


O hacker que a polícia federal acusa de ser o responsável pelo grupo que invadiu celulares de autoridades e obteve acesso a mensagens que teria dado origem a Vaza Jato,  afirma que há um áudio que ele teve acesso, que teria revelado pagamento de propina a Procurador da Lava Jato, Januário Paludo.


O doleiro Dário Messer, havia dito em conversa privada, captada pela Polícia Federal que pagava propinas ao Procurador da força-tarefa.  Agora segundo o hacker de Araraquara, o Procurador teria recebido propina de Renato Duque.


O trecho da entrevista de VEJA com o hacker de Araraquara que trata de Paludo é o seguinte:
”No dia anterior, Paludo havia se tornado alvo de uma investigação após ser mencionado em mensagens de um doleiro como suposto beneficiário de propinas. Ex-diretor da Petrobras, Duque tentou fazer um acordo de delação. Em negociações assim, é comum que as partes combinem um valor que o criminoso deve ressarcir aos cofres públicos. Era sobre isso que o procurador falava? Delgatti, de novo, garante que não. “Naquela época, eu estava tratando da repatriação de valores que o Duque mantinha no exterior”, explica Paludo. O Ministério Público Federal do Paraná divulgou uma nota em que reitera a “plena confiança no trabalho do procurador”.
A entrevista com os jornalistas Thiago Bronzatto e Robson Bonin, da VEJA, ocorreu no Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Ele também disse que novas mensagens comprometeriam Ministros, militares e até o presidente Jair Bolsonaro.
Aos colegas de cela, na Papuda, o hacker teria comentado que o material divulgado até o momento, é só uma pequena amostra do que está por vir. O Hacker ainda diz que ele fez campanha para Bolsonaro, mas que teria se arrependido, segundo as informações de VEJA.

🎥PM flagra plantação de maconha em igreja evangélica em Maceió

O caso ocorreu em outubro de 2018, uma igreja evangélica com plantação de maconha em Maceió,Alagoas. 
O curioso caso que ocorreu em Maceió, Alagoas ,foi notícia no G1Segundo informações do G1, a igreja evangélica fornecia maconha aos fiéis, até comida sendo preparada com maconha.


A polícia teria chegado ao local por uma denúncia anônima e prenderam duas pessoas, pai e filho, que se intitulavam pastores da igreja. Segundo os dois, eles teriam tido uma “revelação divina”  e a partir daí começaram a cultivar a maconha e distribuir aos fiéis, que seriam orientados a fazer chás com a erva.
Os “pastores” da Igreja, tinham uma estratégia para esconder o cultivo de maconha, que era cultivar macaxeira, pois a folha seria similar ao cannabis.


Um fiel, afirmou que eles faziam uso de maconha, durante os cultos.
Durante a visita dos policiais, os fiéis prepararam até uma “refeição inusitada”, feijão com maconha.


Sem querer fazer julgamentos morais do caso, não se pode generalizar que todas igrejas evangélicas, fazem uso de maconha ou cannabis, pois trata-se de caso isolado, assim como o Ministro da Educação, Abraham Weintraub tenta fazer uso de casos isolados para tentar criminalizar as universidades públicas.
O caso chamou bastante atenção entre internautas, após as declarações de Weintraub, Ministro da Educação, que afirmou que havia “plantação de maconha nas universidades”. Internautas usaram o caso para criticar Weintraub, que disse que há “plantação de maconha nas universidades”.
E  mesmo o uso ou consumo de cannabis é alvo de debates e é liberada em vários estados dos EUA, no Canadá e em alguns países europeus.  A Revista Época fez uma reportagem sobre o impacto da legalização da maconha nos lugares que ela foi “liberada”.
Deputados criticaram o caso, dizendo que Weintraub quer usar casos isolados, para tentar criminalizar as universidades públicas, seu corpo docente, alunos e professores.


Fonte: Falando Verdades

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Maia ataca política externa de Bolsonaro e Ernesto Araújo, que faz 'besteira'

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) fez duros ataques nesta quinta-feira à política externa de Jair Bolsonaro e sua submissão aos Estados Unidos, e criticou severamente o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que faz "besteiras"


Em visita à Europa com uma delegação de deputados, o presidente da Câmara dos Deputados abriu nova frente de luta contra o governo de Jair Bolsonaro - a política externa. 
A bordo de um avião da FAB para Genebra, na Suíça, Mais conversou com Roberto Azevedo, o diretor-geral da OMC.
Nos próximos dias, o deputado do DEM visitará dias organismos internacionais e a ONU, entidade frequentemente criticada pelo chefe do governo de extrema-direita do Brasil, assinala o jornalista Jamil Chade, especilaista na cobertura de política internacional. 
Ao ser questionado por jornalistas brasileiros sobre a diplomacia brasileira em seu primeiro ano de gestão de Ernesto Araújo no Itamaraty e a opção por um alinhamento aos EUA, Maia foi duro e alertou que não existe hoje reciprocidade, informa o jornalista.
Na visão de Maia, a prioridade da Casa Branca hoje não é o Brasil e só se interessa pela América Latina por conta da ameaça que pode existir de uma maior implicação chinesa na região.
Questionado se a política externa de Bolsonaro deveria mudar, ele deixou claro sua insatisfação com Araújo.
O presidente foi eleito e a política externa é do governo. Agora a minha posição em relação ao ministro das Relações Exteriores é uma posição muito crítica. Acho que ele é muito ideológico e não defende os interesses práticos, pragmáticos dos brasileiros na relação com outros países. Fez mudanças em embaixadores só do ponto de vista ideológico, só porque tinham sido ministros da Dilma, uma besteira, os embaixadores são funcionários de carreira, vão atender a todos os governos respeitando a orientação do governo eleito.


Fonte: Brasil 247

Não se brinca com o Bolsa Família

Publicado originalmente em Os Divergentes
Por Helena Chagas
O Planalto adiou o anúncio da reformulação do Bolsa Família previsto para hoje. Mas o governo não desistiu da ideia. Jair Bolsonaro e seus auxiliares reconhecem o enorme potencial político e eleitoral de um dos maiores e mais efetivos programas sociais do mundo e querem um Bolsa Família para chamar de seu. No fundo, a principal razão do movimento é mudar o nome do programa para algo como “Renda Brasil”, tentando desfazer sua identificação com os governos do PT.
Se vai conseguir ou não, é difícil saber. Mas há um grande risco de o Bolsa Família acabar desmantelado, deixando milhões de brasileiros na mão. Desde o início do governo, isso vem acontecendo com os principais programas sociais do país, como o Minha Casa Minha Vida, o Mais Médicos, o Farmácia Popular, o Caminho da Escola…
Todas as mudanças feitas até agora pelo governo Bolsonaro nos programas sociais foram para pior, ainda que sob o disfarce de um discurso de eficiência. Mas é só ver. Não hea mais médicos cubanos, e eles não foram substituídos. O número de remédios oferecidos de graça nas farmácias foi muito reduzido. A faixa 1 do MCMV, justamente a que beneficia famílias de mais baixa renda, teve sua morte decretada. As casas entregues este ano foram construídas por contratos celebrados no passado. Não vai mais haver casa quase de graça para ninguém.
Assim como esses programas, o Bolsa Família vai esbarrar na equipe econômica em sua suposta ampliação. Sob o ponto de vista da agenda liberal, não há dinheiro para aumentar benefícios sociais, e qualquer mudança – ainda que aparentemente aumentando o valor o benefício e supostamente o número de beneficiários – vai excluir. Já se fala, por exemplo, em aumentar condicionalidades e incluir entre elas, por exemplo, o desempenho escolar das crianças de famílias que recebem o Bolsa. Ou seja: se tirar nota ruim o pai ou a mãe perdem o dinheiro?
Essa e outras mudanças saídas da cabeça de quem se sentou ali agora e acha que é simples mexer com um programa desse porte têm tudo para dar errado. Pode ser até que, num primeiro momento, Bolsonaro consiga colher louros aumentando valores do benefício. Mas vai mexer nas bases do programa e pode acabar com ele. Quem não se lembra do episódio em que milhares de beneficiários do Bolsa correram a agências da Caixa Econômica e provocaram um enorme tumulto num fim de semana de 2013 em que circulou a informação falsa de que alguns pagamentos seriam suspensos?
Não se brinca com isso. Programas sociais como o Bolsa Família foram elaborados e mantidos com uma tecnologia sofisticada, fruto e estudos, experiência e mecanismos de acompanhamento e controle. Destruir é fácil, basta uma canetada. Construir, ou reconstruir, é que são elas.



Como a extrema-direita usa o medo e fake news para influenciar pessoas

Cientista político italiano em livro tenta explicar como a extrema-direita no mundo, tenta usar os algoritmos, o medo e teorias da conspiração para influenciar pessoas 
Um cientista político franco-italiano, Giuliano da Empoli, escreveu um livro que deveria ser o novo livro de cabeceira, para quem quer entender  ascensão de Bolsonaro e da extrema-direita no mundo, afinal tudo que tem sido feito até aqui não teve resultado objetivo para derrotar o bolsonarismo e a extrema-direita.


O livro organizado por Da Empoli tem um título que por si só é bem auto-explicativo: ” Os engenheiros do caos: Como as fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições”, que está disponível em português, pela Editora Vestígio.
No livro o autor, explica como a extrema-direita usa o medo, as teorias da conspiração, o escândalo e a superexcitação permanente, para manter uma parte da sociedade mobilizada, não importando inclusive se o conteúdo que circula é VERDADE OU NÃO.

O autor em entrevista ao Nexo Jornal, o autor falou brevemente como a lógica de engajamento das redes sociais se sobrepôs a lógica de fazer política de maneira tradicional.  Segundo ele, o motor das redes sociais são as emoções. Em entrevista, ele afirmou que eles usam todo tipo de conteúdo possível para manter engajados o seu público.
O autor em entrevista ao Nexo Jornal, o autor falou brevemente como a lógica de engajamento das redes sociais se sobrepôs a lógica de fazer política de maneira tradicional.  Segundo ele, o motor das redes sociais são as emoções. Em entrevista, ele afirmou que eles usam todo tipo de conteúdo possível para manter engajados o seu público.


Fonte: Falando Verdades

🎥Bolsonaro sobre o aumento da carne: ”Produtor rural está lucrando”

“O produtor rural que há dez anos estava sem lucro, agora viu oportunidade de lucro”, disse Bolsonaro hoje em live (ao vivo em suas redes sociais)
Em sua live semanal, programada para todas as quintas-feiras o presidente Jair Bolsonaro comentou o valor da carne e seu aumento: ”muita gente está reclamando, e está caro mesmo”, mas “o produtor ruralm que há dez anos estava sem lucro, agora viu oportunidade de lucro”.

Ele afirmou anteriormente a apoiadores na frente do Palácio do Planalto,  que o aumento se deve a política de “livre mercado
“Preocupa, sim. Mas estamos em uma política de livre mercado. No passado tivemos alta de outros produtos também, e é natural a oposição potencializar em cima disso”, argumentou. “Nós devemos abrir e estamos abrindo o mercado para o mundo. O mundo vem comprar aqui, sobe”.


A Ministra da Agricultura afirmou que o preço da carne, não estava “caro”, é que  estava muito barato antes. Bolsonaro já havia dito anteriormente, que não faria nada para baixar o preço da carne. A Ministra da Agricultura, também afirmou que o preço da carne não voltará mais aos patamares anteriores.


“Todo ano nessa época, novembro, dezembro, entressafra, há aumento da carne. Não tanto como agora, mas existe esse aumento. E o produtor rural que há quase dez anos estava sem lucro, no zero a zero, agora viu oportunidade de lucro”, declarou Bolsonaro, prevendo em seguida que “a tendência é voltar à normalidade” disse Bolsonaro em sua live.
O preço da carne vem subindo tanto, que açougues em São Paulo estão tirando os preços das carnes, para não perder clientes. Com o aumento da carne bovina, a carne de porco e de frango também vem aumentando e o valor também não será o mesmo de antes.
Bolsonaro, no entanto, acredita que a carne “pode baixar” e culpa pelo aumento as exportações para a China e a entressafra.
Por fim, Bolsonaro terminou zombando da Venezuela e de quem pediu para ele “tabelar” o preço da carne. . “Deu certo na Venezuela? Lá não tem nem carne de cachorro mais para comer, gato, não tem nada. Todo mundo tá na miséria”, disse o presidente.
CONFIRA:

🎥 Produtor rural que há dez anos estava sem lucro, agora viu oportunidade de lucro, diz Bolsonaro sobre preço da carne

169 people are talking about this
Fonte: Revista Fórum

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Marco Aurélio, do STF, dá invertida em Moro: falta o mínimo conhecimento técnico

Em entrevista à Folha, Moro culpou a decisão do STF, que proibiu a prisão após condenação em segunda instância, pelo aumento da percepção da corrupção no Brasil



O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), rebateu as declarações do ministro da Justiça e ex-juiz, Sergio Moro, que em entrevista à Folha de S.Paulo culpou a decisão da corte, que proibiu a prisão após condenação em segunda instância, pelo aumento da percepção da corrupção no Brasil.


Marco Aurélio, relator das ações sobre o tema, disse que é até compreensível que “o leigo tenha outra percepção” sobre a questão.
“Quem tem o mínimo de conhecimento técnico e que ame a lei das leis, a Constituição, não pode ter dúvidas”, disse o magistrado, em referência ao entendimento, referendado pelo plenário da corte, de que uma pessoa só pode começar a cumprir pena após o trânsito em julgado do processo (quando não cabem mais recursos, e a ação é finalizada).


Para o ministro do STF, Moro está indignado com a decisão da corte. “Ele está indignado, quer correção de rumos e não observa as leis, mas o técnico tem de ter um olhar fidedigno sobre a Constituição.”


Fonte: Revista Fórum

Boneco Vodu de Bolsonaro é vendido no Mercado Livre

Uma forma de protesto bem humorada, o boneco vodu de Bolsonaro
Em tempos obscuros, eis que surgem novas formas de protestar com a criatividade que tem nosso povo brasileiro, agora a novidade é o “boneco vodu de Bolsonaro”, que está sendo vendido oficialmente no Mercado Livre.


Para quem duvida é só checar o produto diretamente no MERCADO LIVRE. Ele custa R$ 250,00 e tem frete grátis.


Segundo a descrição do produto:
“Promoção Relâmpago. Boneco vodu do Bolsonaro. tenha o seu! feito em tecido africano. Toda a vez que o presidente fizer ou falar as bobagens que lhe é peculiar, você pode intervir.”
A idéia do produto ganhou as redes sociais e até a caixa de perguntas e comentários do produto no Mercado Livre, algumas perguntas que apareceram por lá:


-Já vem envuduzado ou tem que levar pra fazer?
-Tem o da Michele também? Queria um kit da família completa, de for possível.
-Rindo até 2050!!! Porra, se tiver garantia que funciona, eu compro!!!
-Otimo produto! Recomendo. ¿¿¿¿¿¿¿¿¿¿
-Não entendo pq tem tanto cidadão cristão de bem neste anúncio. Vai comprar caneta ungida por pastor cambada
O boneco vodu de Bolsonaro, parece mais uma sátira e piada, mas ao que parece se a “ideia colar” em tempos de polarização… colou. Recorrendo a forças espirituais ou não, para derrotar Bolsonaro, o produto ganhou as graças nas redes sociais e está sendo bem comentado no twitter.

Fonte: Falando Verdades

Ao estilo Bolsonaro, Moro bate boca com jornalistas da Folha em entrevista para defender o capitão

Em entrevista exclusiva à Folha de S.Paulo, Moro se irritou com perguntas dos repórteres e se ocupou mais em atacar o jornal, considerado inimigo por Jair Bolsonaro


Em entrevista aos jornalistas Leandro Colon e Camila Mattoso, da Folha de S.Paulo, o ministro da Justiça, Sergio Moro, mostrou que aprendeu a fazer política partidária ao melhor estilo Jair Bolsonaro, atacando de forma truculenta qualquer ponto de vista que seja diferente do seu – e do capitão que o nomeou para o cargo.
Na conversa com os jornalistas, Moro aparenta irritação por diversas vezes, acusa o jornal – considerado inimigo por Bolsonaro – de sensacionalismo por reportagens que colocam em xeque sua imagem e chega a criticar até mesmo o teor das manchetes.
Ao ser deparado com perguntas sobre as conversas espúrias envolvendo seu nome na série de reportagens da Vaza Jato – produzida pelo site The Intercept em parceria com diversos veículos da mídia, entre eles a Folha -, Moro demonstra irritação. “A Folha não cansou dessa história?”, retrucou, dizendo que o jornal estaria “marchando no passo errado”.
“Tem aquela história do soldado que estava marchando e o outro soldado que está marchando no passo errado. Talvez seja a Folha”, disse.
Ao ser indagado se não “atropelou” as funções de juiz ao orientar procuradores e investigadores da Polícia Federal na condução das operações da Lava Jato – conforme foi revelado pelas reportagens -, Moro acusou a Folha de sensacionalismo.
“O que existe nesse caso são supostas mensagens obtidas por meios criminosos, autenticidade que não foi comprovada e uma divulgação, e aqui com todo o respeito à Folha de S. Paulo, com absoluto sensacionalismo”, disse, reiterando outras vezes que o teor “sensacionalista” das reportagens do jornal.
Defesa de Bolsonaro
Em outro momento da entrevista, ao ser deparado com o caso de que uma planilha mostrava que Bolsonaro teria feito caixa dois durante a campanha, Moro voltou a se irritar.
“Nesse caso, o que eu critiquei foi a manchete da Folha e não a investigação da polícia. A manchete distorcia a investigação da PF. A investigação da PF não falava em caixa dois da campanha do presidente”, disse, em relação ao inquérito conduzido pela polícia que fica sob seu comando.
Os jornalistas, então, dizem que a “manchete jamais disse que a PF investigava e que a Folha descobriu uma planilha e um depoimento da investigação que indicam isso”. Moro então acusa o jornal de distorcer a investigação.


“Não lembro o teor da manchete, a minha crítica foi à distorção do conteúdo da investigação pela Folha de S.Paulo, com todo respeito naquela ocasião”.
Moro ainda considerou “inapropriada” uma pergunta sobre a defesa que fez da campanha eleitoral de Bolsonaro.
“Mas o sr. a defendeu e disse que foi a mais barata”, disse um dos jornalistas. “Mas foi a mais barata”, afirmou Moro.
O repórter diz, então, que “caixa dois está nas campanhas baratas por não ter o gasto declarado”. Moro então mostra irritação novamente. “Mas vocês estão partindo do pressuposto de que houve caixa dois na campanha, é isso que a Folha está afirmando?”
Ele ainda diz que se sentiu ofendido com a pergunta. “. A forma como vocês estão colocando é ofensiva esse tipo de pergunta. A conclusão da Folha sobre a investigação foi equivocada. Eu jamais interferi e jamais interferiria em qualquer investigação”.


Fonte: Revista Fórum