sexta-feira, 11 de maio de 2018

Mais uma do baú da maldade de Temer, maior aumento de tarifa da história do metrô de BH

Sem inauguração de expansões há mais de uma década e com a ameaça de colapso por falta de verbas do governo, transporte que atende à Grande BH vai para R$ 3,40, maior reajuste de sua história

Em meio a ameaça de cortes e até de paralisação do metrô de Belo Horizonte, devido à falta de verba orçamentária para operação do serviço, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) anuncia aumento de mais de 88% na tarifa do transporte. O reajuste, que partir de sexta-feira fará o usuário desembolsar R$ 3,40 contra os atuais R$ 1,80, é o maior na história do metrô (veja quadro). É também o mais alto do transporte público da capital mineira, pelo menos desde 2008. Levantamento feito pelo Estado de Minas com base em dados da CBTU e da BHTrans mostra que a maior diferença no período ocorreu no metrô entre janeiro de 2005 e fevereiro de 2006, com alta de R$ 0,45 (de R$ 1,20 para R$ 1,65, diferença de 37%). O Ministério Público Federal (MPF) já analisa representação do Sindicato dos Metroviários de Minas Gerais (Sindmetro) questionando os novos valores.

O anúncio do reajuste chega justamente no momento em que o Ministério das Cidades havia admitido a busca por pelo menos R$ 60 milhões para garantir o funcionamento do metrô em BH e outras quatro capitais sem interrupções, diante do contingenciamento de verbas para a CBTU em 2018 aprovado pelo Congresso Nacional. O Sindicato dos Metroviários de Minas Gerais não tem dúvida de que a conta caiu no bolso da população, que terá que pagar mais que o sistema não corra o risco de parar.

Já a companhia justificou o aumento dizendo que a tarifa está congelada há 12 anos na capital mineira e que, por isso, a receita do metrô não evoluiu de forma compatível com o aumento dos custos. O sistema que atende hoje a 210 mil pessoas por dia é composto de apenas uma linha, de 28,1 quilômetros, e teve a última estação inaugurada há 16 anos, segundo site da própria CBTU (veja quadro). Veja:Estado de Minas

0 comentários:

Postar um comentário