terça-feira, 10 de agosto de 2021

Maior jornal inglês trata Brasil como 'Banana Republic' após desfile militar golpista de Bolsonaro

 


Brasil 247 - The Guardian, o maior jornal inglês, referiu-se ao desfile militar desta terça-feira (10) em Brasília como uma ação “ao estilo república das bananas” do governo Bolsonaro, em reportagem publicada às 16h35 (hora de Londres). Segundo o jornalista Tom Phillips, autor da reportagem, o desfile “foi amplamente visto como a tentativa desastrada de um presidente sitiado de projetar força”.

Leia os principais trechos da reportagem:

“Os críticos denunciaram a decisão ‘ao estilo da república das bananas’ de Jair Bolsonaro de enviar tanques às ruas da capital do Brasil para um raro desfile militar no que foi amplamente visto como a tentativa desastrada de um presidente sitiado de projetar força.




Bolsonaro, cujos índices de audiência despencaram como resultado de sua resposta caótica à pandemia de Covid, observou da rampa de mármore do lado de fora do palácio presidencial uma carreata de veículos blindados passando na manhã de terça-feira.

"Ridículo. Grotesco. Lamentável. Desnecessário. Coisa da Banana Republic ”, tuitou o jornalista brasiliense Brunno Melo enquanto a procissão avançava sob um céu azul perfeito.




O desfile organizado às pressas - que especialistas disseram não ter precedentes nos anos desde a restauração da democracia em 1985 - foi ordenado por Bolsonaro na sexta-feira passada e aconteceu no mesmo dia em que membros do Congresso deveriam votar em planos altamente polêmicos apoiados por Bolsonaro. mudar o sistema de votação do Brasil. (...)

João Roberto Martins Filho, um importante especialista militar, disse que a procissão era "completamente inédita" nas quase quatro décadas desde o fim da ditadura militar de 1964-85 e era uma tentativa de Bolsonaro reafirmar seu domínio.




‘Há quem diga que os chefes militares controlam o Bolsonaro ... mas acho que ele é totalmente incontrolável’, disse Martins Filho.

Políticos de oposição de esquerda e direita condenaram o espetáculo, que o Ministério da Defesa afirmou ter sido realizado para convidar formalmente Bolsonaro para exercícios anuais de treinamento da Marinha que deveriam começar na próxima semana perto da capital. Esses exercícios têm sido realizados todos os anos desde 1988, no entanto, e nunca antes veículos blindados foram enviados para o coração de Brasília, que também abriga o Congresso e a Suprema Corte do Brasil.



Alessandro Vieira, um senador de centro-direita, disse que era inaceitável esbanjar dinheiro público em ‘uma demonstração vazia de poderio militar’. ‘O Brasil não é um brinquedo nas mãos de lunáticos’, tuitou Vieira.

A senadora Simone Tebet denunciou a ‘intimidação indevida e inconstitucional’ do sistema democrático brasileiro.

Omar Aziz, presidente de uma investigação do Congresso sobre uma catástrofe da Covid que matou mais de meio milhão de brasileiros, disse: ‘Bolsonaro acha que isso mostra força, mas na verdade é apenas evidência da fragilidade de um presidente que é encurralado por investigações de corrupção ... e a incompetência administrativa que causou morte, fome e desemprego em meio a uma pandemia descontrolada’. 

Muitos também consideraram a ‘tanqueciata’ (desfile de tanques) do presidente - que durou apenas 10 minutos, apresentava uma seleção distintamente limitada de equipamentos militares expelindo fumaça, e foi assistido por apenas cerca de 100 apoiadores ferrenhos do Bolsonaro - como um fiasco.

Marcelo Soares, jornalista radicado em São Paulo, classificou o desfile como um ‘show legítimo de farsa’.”





0 comentários:

Postar um comentário