sábado, 7 de agosto de 2021

Funcionários e alunos da Psiquiatria da USP pedem reagendamento de debate sobre saúde mental de Bolsonaro

 


A PostagemA reunião ‘Afastamento de um presidente por transtorno mental: questões éticas e forenses’, marcada para o dia 4, teria sido cancelada pelo departamento por pressões externas.



O Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP cancelou reunião online que seria realizada nesta quinta (5), para debater o impeachment do presidente Jair Bolsonaro devido a transtorno mental.



Por conta do cancelamento, funcionários, colaboradores, residentes, ex-residentes, alunos e ex-alunos do Hospital das Clínicas e da Faculdade de Medicina da USP escreveram carta ao Departamento de Psiquiatria da FMUSP e à direção da FMUSP defendendo a realização da reunião geral.

A carta pede que o departamento “reagende com a máxima brevidade e publicidade a reunião geral com o tema ‘Afastamento de um presidente por transtorno mental: questões éticas e forenses’”.



O documento diz ainda que “o cancelamento da reunião lança sobre o Departamento de Psiquiatria da FMUSP a dúvida de que tenha recebido pressões externas que, ao censurar uma atividade acadêmica e de extensão à comunidade realizada há décadas, têm por objetivo restringir o papel da universidade no livre debate de ideias no Brasil”.

De acordo com os organizadores, a carta não tem por intenção criticar o departamento, que afinal teve a iniciativa de chamar a reunião, mas sim apoiá-lo a tomar a decisão necessária para garantir sua autonomia, a defesa da livre expressão e da ciência.

Leia a carta na íntegra abaixo:

PELA DEFESA DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO, DA CIÊNCIA E DA AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA DA FMUSP

Nós, funcionários, colaboradores, residentes, ex-residentes, alunos e ex-alunos do Hospital das Clínicas e da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo subscrevemos essa carta para solicitar ao Departamento de Psiquiatria da FMUSP que reagende com a máxima brevidade e publicidade a reunião geral com o tema ”Afastamento de um presidente por transtorno mental: questões éticas e forenses” originalmente agendada para 05/08/2021 e cancelada na véspera de sua realização, conforme noticiado pelo jornal Folha de S. Paulo.

O cancelamento da reunião lança sobre o Departamento de Psiquiatria da FMUSP a dúvida de que tenha recebido pressões externas que, ao censurar uma atividade acadêmica e de extensão à comunidade realizada há décadas, têm por objetivo restringir o papel da universidade no livre debate de ideias no Brasil.

Com essa carta, cerramos fileiras junto ao Departamento de Psiquiatria da FMUSP na defesa da liberdade de expressão, da ciência e da autonomia universitária.

A carta e as assinaturas serão entregues ao Departamento de Psiquiatria e à direção da FMUSP.

0 comentários:

Postar um comentário