sábado, 6 de fevereiro de 2021

Lava Jato não prendeu Lula em 2016 para ele não virar ´mártir´

 


A força-tarefa da Operação Lava Jato viveu um momento de euforia com os grampos divulgados entre a então presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (ambos do PT) em março de 2016 e, ao mesmo tempo, de cautela por temer transformar em "mártir" o petista.



Procuradores debateram que não havia "espaço político" para prisão naquele momento. Os diálogos no aplicativo Telegram —apreendidos em operação que prendeu hackers— tiveram o sigilo suspenso pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski.

’Caraca!!!’
"Caraca!!!", escreveu o procurador Paulo Galvão em um grupo da Lava Jato em aplicativo de mensagens. "Dá-lhe, Gilmar!", comemorou em seguida a procuradora Jerusa Viecili -o ministro do STF havia vetado posse de Lula no governo Dilma como ministro da Casa Civil.


Na mesma conversa de 18 de março, o procurador Andrey Borges de Mendonça sugeriu: "Agora vamos preparar a denúncia e se, até lá, estiver ok, apresentamos para o Moro". Na sequência, ele lembrou que o petista também poderia ser denunciado em Brasília por obstrução à Justiça.

Um temor de Mendonça era de que a denúncia em Brasília "poderia facilitar a alegação de conexão e de que tudo deveria subir [sair de Curitiba]". "Minha opinião é refletir com Brasília o momento de eventual denúncia lá por obstrução. Eu acho q o ideal é segurar até vocês denunciarem sítio/tríplex (caso seja isso que vão denunciar) e depois denuncia lá em cima [Brasília]."

"É importante refletir sobre isso. Ter uma posição uníssona com o PGR [procurador-geral da República, Rodrigo Janot, à época] seria bem importante"



Andrey Borges de Mendonça, procurador em 18 de março de 2016

O debate sobre acerto com PGR e o MPF no Distrito Federal a respeito de denúncia teve o apoio de outros procuradores. "Temos que alinhar tudo muito bem com os meninos em Brasília e PGR!", escreveu Roberson Pozzobon.

"Concordo. O PGR agiu muito bem no episódio do grampo e estamos todos no mesmo barco", pontuou Diogo Castor de Mattos, também se referindo a uma fala de Janot que disse que a interceptação de uma conversa telefônica entre Lula e Dilma foi "legal". O áudio foi divulgada por Moro em 16 de março e foi uma das bases para brecar a nomeação de Lula

Também membro da força-tarefa à época, o procurador regional Antônio Carlos Welter sugeriu cautela sobre o momento da denúncia contra Lula. A tese dele tinha como base o fato de que o plenário do STF ainda iria avaliar se manteria ou não a decisão provisória de Gilmar.



"Caríssimos, acho que temos que ter um pouco de cuidado para não fazer um mártir. Ou pior, um mártir vivo, justificando o discurso do Lula de que se vê como preso político", escreveu Welter no grupo. "Possivelmente a liminar será levada a plenário em uma semana, talvez na quarta pós Páscoa. Não vejo, assim, necessidade de pressa (embora minha vontade seja noutro sentido)."

Para ele, "as eventuais providências contra o Lula correm o risco, assim, em caso de revogação da liminar, de não serem confirmadas ou, ainda pior, de serem cassadas na mesma sessão, caso a maioria seja noutro sentido".

Ele [Lula] voltaria encarnando um ressuscitado após a semana santa. Pior cenário impossível. Sugiro, assim, que seguremos o andor. Até porque, se confirmada a liminar, qualquer providencia poderia ser encetada imediatamente


Fonte: UOL


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário