quarta-feira, 17 de junho de 2020

Bolsonaro bloqueia Janaina Paschoal no Twitter

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) disse que foi bloqueada no Twitter por Jair Bolsonaro depois que a parlamentar passou a criticar atos que estimulam um golpe no País e a postura dele na pandemia do coronavírus. Ela já pediu que ele saia da presidência da República e afirmou que se arrependeu do voto. 
Em sua de suas mais recentes críticas a Bolsonaro, ela afirmou que ele "dificuldade de conviver com a diferença" e sua desorganização vem desde a época da campanha eleitoral. "Eu previa [que Bolsonaro seria assim], mas não tanto", admitiu a deputada em entrevista ao portal Uol

"Durante a campanha, houve momentos em que tentei organizar, conversei com várias pessoas, conversei com o ministro [Paulo] Guedes, de quem gosto muito. Eles tinham dificuldade de organização, de montar equipe. Se ofenderam muito quando pedi um plano para a educação, para a saúde", continuou.
Em março, Janaina criticou Bolsonaro por ter ido a atos de rua. Autoridades de saúde recomendam que as pessoas evitem aglomerações para diminuir a propagação da Covid-19.  "É um crime contra a saúde pública. Esse senhor tem que sair da Presidência da República. (...) Deixa o Mourão conduzir a nação. Não tem mais justificativa. (...) Eu me arrependi do meu voto. (...) As autoridades têm que se unir e pedir para ele se afastar", disse ela em discurso na Assembleia Legislativa de São Paulo. "Eu me arrependi do meu voto". 
Eu nunca escondi minhas divergências frente a esse governo. Aliás, quem for justo lembrará que eu externei minhas muitas diferenças muito antes da eleição. Mas não posso deixar de dizer que estou muito preocupada com o rumo que essas investigações estão tomando.
O Presidente me bloqueou no Twitter. Desde que fui lá dizer para parar de falar do artigo 142 da CF, pois acabariam usando contra ele! Eu não estava torcendo por isso. Estava avisando. Tudo o que está ocorrendo mostra que eu tinha alguma razão.
296 people are talking about this


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário