domingo, 15 de março de 2020

General Santos Cruz recebe ameaças e passa a andar armado

Assim como Gustavo Bebianno, militar também foi demitido do governo Bolsonaro e se tornou desafeto do clã


O general Carlos Alberto dos Santos Cruz passou a andar armado depois de receber ameaças de morte. A informação foi publicada neste domingo pelo jornalista Lauro Jardim em sua coluna. Assim como Gustavo Bebianno, morto ontem, em razão de um infarto agudo do miocárdio, Santos Cruz também foi demitido do governo Bolsonaro se tornou desafeto do clã – em especial de Carlos Bolsonaro. Saiba mais sobre a morte de Bebianno:
RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência Gustavo Bebianno, que comandou o PSL na campanha vitoriosa do presidente Jair Bolsonaro, faleceu aos 56 anos neste sábado em Teresópolis (RJ), devido a um enfarto.
Filiado há pouco tempo ao PSDB, Bebianno era pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro, depois de ter sido demitido do governo federal no início do ano passado por Bolsonaro.
A demissão de Bebianno foi a primeira baixa no primeiro escalão do governo Bolsonaro.
Antes de ser demitido, Bebianno foi o principal personagem de uma crise que se arrastou por uma semana, após ter sido chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente.
No foco do embate, estavam denúncias de que, sob a presidência nacional do PSL de Bebianno, candidaturas em Estados teriam cometido irregularidades. Em entrevistas e nota oficial, o ministro negou irregularidade e disse que cabia aos diretórios estaduais responderem pelas acusações.


Pouco depois da demissão, Bebianno atribuiu a mesma a Carlos Bolsonaro e disse que não pretendia atacar o presidente.
“Tem muita gente dizendo que eu sou homem-bomba. Tenho caráter, não vou atacar o presidente”, disse em entrevista à rádio Jovem Pan.
No início deste mês, no entanto, Bebianno disse em entrevista no programa Roda Viva temer por uma ruptura institucional no país.


“Não tenho bola de cristal, não sei o que vai acontecer. Mas temo por uma ruptura institucional”, disse.
“A minha grande crítica é que o presidente está atrapalhando... me assusta, o presidente eleito recentemente e só pensar em reeleição. Se você tiver o cuidado de pegar a agenda presidencial, você vai ver que ele só pensa em reeleição, reeleição... O risco é esse, a começar pelos filhos. AI 5 pra cá e pra lá, críticas infundadas a outros Poderes”, acrescentou.


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário