terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Voz que autorizou entrada de acusado de matar Marielle em condomínio não é de porteiro que citou Bolsonaro, diz perícia

Laudo da Polícia Civil obtido pelo GLOBO concluiu que a voz do porteiro que efetivamente liberou a entrada do ex-PM Élcio de Queiroz no condomínio Vivendas da Barra, no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, não é a do funcionário que mencionou o presidente Jair Bolsonaro aos investigadores da Delegacia de Homicídios (DH). O documento, assinado por seis peritos, também atesta que o áudio da portaria não sofreu qualquer tipo de edição e que a pessoa que autorizou a entrada de Élcio no condomínio foi o policial reformado Ronnie Lessa. Tanto Élcio quanto Lessa estão presos sob a acusação de terem cometido o crime.



Em depoimento, no ano passado, um dos porteiros disse que Bolsonaro havia liberado a entrada de Élcio no condomínio. Depois, ele voltou atrás. Agora, a perícia no áudio da portaria, iniciada em 13 de janeiro deste ano, confirmou que foi um outro funcionário que interfonou para Lessa, morador do condomínio e vizinho de Bolsonaro. O crime aconteceu em 14 de março de 2018, por volta das 21h15. A gravação foi feita no mesmo dia, às 17h07m42s, portanto, quatro horas antes da execução.



Nos depoimentos que prestou nos dias 7 e 9 de outubro do ano passado, o porteiro pivô do caso relatou que “Seu Jair”, referindo-se a Bolsonaro, havia autorizado a entrada de Élcio no dia do assassinato. Ele também contou à polícia que o ex-PM havia pedido para ir à casa número 58, onde vivia o então deputado federal e atual presidente da República. Bolsonaro, no entanto, se encontrava em Brasília no dia, como mostrou a TV Globo.

Quando a gravação foi feita, havia quatro porteiros de serviço no turno da tarde no condomínio, inclusive o que citou Bolsonaro. As vozes dos quatro foram comparadas com o áudio analisado pela perícia do ICCE.

O ponto crucial da perícia se dá em uma conversa rápida, de poucos segundos, entre os interlocutores identificados como VM1 (voz masculina 1) e VM2 (voz masculina 2). Os peritos apontam “limitações na quantidade de material examinado”, mas afirmam que, a partir de análises acústica e biométrica, qualidades que são observadas para identificar as vozes durante o exame, o áudio questionado “possui características convergentes com a fala padrão coletada pelo porteiro Z, mais do que qualquer dos outros porteiros analisados”. Trata-se de outro porteiro de plantão e não aquele que mencionou o presidente em depoimento.

Para chegar à conclusão de que a voz era do porteiro Z, os peritos perceberam que ele era o único que apresentava “boa articulação com emissão sonora de grande energia, transparecendo jovialidade na fala, sob o aspecto línguístico”. O porteiro que citou Bolsonaro tem mais de 50 anos.


O laudo explica que é possível perceber que Z alonga a vogal “a” do ditongo da palavra “portaria”. Esta palavra é dita a todo momento por todos os porteiros. Apenas Z, dos quatro porteiros do dia da gravação, pronuncia “portaria” com essa peculiaridade.

O MP já havia feito uma perícia, em tempo recorde, para tentar inocentar Bolsonaro no caso. Depois foi constatado que as 2 promotoras são bolsonaristas e podem ter tido contato com a família Bolsonaro.

Fonte: O Globo

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário