sábado, 15 de fevereiro de 2020

Pibinho de Guedes e Bolsonaro já assusta o mercado

Começa a cair a ficha entre os analistsas de que a atual política econômica é um fracasso retumbante


Começou a temporada de redução das previsões de crescimento da economia brasileira, após os resultados decepcionantes do crescimento, divulgados ontem pelo IBGE. "A economia brasileira terminou 2019 em um ritmo mais fraco que o esperado pelos analistas. Após os resultados ruins divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para indústria, comércio e serviços em dezembro, o Banco Central informou nesta sexta-feira, 14, que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma espécie de prévia do PIB, teve queda de 0,27% em dezembro e fechou o ano com alta de 0,89%", aponta reportagem do jornal Estado de S. Paulo.



O resultado desencadeou uma leva de reduções das projeções para o crescimento do PIB deste ano. "O banco Santander, por exemplo, rebaixou sua projeção de alta de 2,3% para 2%. Na Novus Capital, a queda foi de 2,5% para 2%. Já o banco Barclays reduziu sua estimativa de 2,3% para 2,1%. Levantamento feito pelo Projeções Broadcast com 28 instituições financeiras aponta, na mediana, para um crescimento de 2,2% em 2020. Mas já há estimativas inferiores a 2%", informa a reportagem.
Confira, abaixo, análise da Reuters:
SÃO PAULO (Reuters) - A atividade econômica do Brasil terminou 2019 com expansão abaixo do esperado, de acordo com dados do Banco Central divulgados nesta sexta-feira, com os números consolidando a percepção capturada por outros indicadores no sentido de perda de vigor da economia no fim do ano passado.
O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), aumentou 0,89% no ano passado, em números observados, após expansão de 1,34% em 2018.
O IBC-Br e o número oficial das Contas Nacionais possuem metodologias de cálculo diferentes. Mas, de toda forma, a leitura mais fraca do índice do BC em 2019 indica um ritmo de atividade mais lento que o esperado pelo mercado para o PIB, que, pela mais recente pesquisa Focus do BC, deve ter crescido 1,12% no ano passado.



Leia mais no Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário