sábado, 18 de janeiro de 2020

O verdadeiro nazista é Bolsonaro, aponta editorial do Estadão

"O assessor que se inspirou em Goebbels para anunciar o “renascimento da cultura nacional” só foi exonerado porque houve uma grita generalizada diante de tamanho absurdo. Noves fora o plágio nazista, o conteúdo da fala que custou o cargo ao tal secretário é essencialmente o que Bolsonaro já disse e repetiu inúmeras vezes", aponta o jornal paulista



O ex-secretário nazista de Jair Bolsonaro, Roberto Alvim, só caiu porque deu muita bandeira, aponta o jornal Estado de São Paulo, neste sábado. De acordo com o texto, o verdadeiro chefe do projeto autoritário é Jair Bolsonaro – e todos sempre souberam disso. 



"Não são rompantes, e perde tempo quem acredita na possibilidade de que, com o tempo, Bolsonaro vá temperar seu comportamento. O assessor que se inspirou em Goebbels para anunciar o “renascimento da cultura nacional” só foi exonerado porque houve uma grita generalizada diante de tamanho absurdo. Noves fora o plágio nazista, o conteúdo da fala que custou o cargo ao tal secretário é essencialmente o que Bolsonaro já disse e repetiu inúmeras vezes, mesmo antes da eleição. Portanto, ninguém pode se dizer surpreendido, nem mesmo os eleitores mais ingênuos. Bolsonaro é Bolsonaro há muito tempo", aponta o texto.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário