sábado, 14 de dezembro de 2019

🎥PM flagra plantação de maconha em igreja evangélica em Maceió

O caso ocorreu em outubro de 2018, uma igreja evangélica com plantação de maconha em Maceió,Alagoas. 
O curioso caso que ocorreu em Maceió, Alagoas ,foi notícia no G1Segundo informações do G1, a igreja evangélica fornecia maconha aos fiéis, até comida sendo preparada com maconha.


A polícia teria chegado ao local por uma denúncia anônima e prenderam duas pessoas, pai e filho, que se intitulavam pastores da igreja. Segundo os dois, eles teriam tido uma “revelação divina”  e a partir daí começaram a cultivar a maconha e distribuir aos fiéis, que seriam orientados a fazer chás com a erva.
Os “pastores” da Igreja, tinham uma estratégia para esconder o cultivo de maconha, que era cultivar macaxeira, pois a folha seria similar ao cannabis.


Um fiel, afirmou que eles faziam uso de maconha, durante os cultos.
Durante a visita dos policiais, os fiéis prepararam até uma “refeição inusitada”, feijão com maconha.


Sem querer fazer julgamentos morais do caso, não se pode generalizar que todas igrejas evangélicas, fazem uso de maconha ou cannabis, pois trata-se de caso isolado, assim como o Ministro da Educação, Abraham Weintraub tenta fazer uso de casos isolados para tentar criminalizar as universidades públicas.
O caso chamou bastante atenção entre internautas, após as declarações de Weintraub, Ministro da Educação, que afirmou que havia “plantação de maconha nas universidades”. Internautas usaram o caso para criticar Weintraub, que disse que há “plantação de maconha nas universidades”.
E  mesmo o uso ou consumo de cannabis é alvo de debates e é liberada em vários estados dos EUA, no Canadá e em alguns países europeus.  A Revista Época fez uma reportagem sobre o impacto da legalização da maconha nos lugares que ela foi “liberada”.
Deputados criticaram o caso, dizendo que Weintraub quer usar casos isolados, para tentar criminalizar as universidades públicas, seu corpo docente, alunos e professores.


Fonte: Falando Verdades
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário