segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Michelle poderá ser investigada por lavagem de dinheiro

"A primeira-dama brasileira, Michelle Bolsonaro poderá responder por crime de lavagem de dinheiro se ficar provado que o cheque de R$ 24 mil, depositado em sua conta bancária pelo chefe de gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, o ex-PM Fabrício Queiroz, em 2018 teve origem criminosa", diz Alex Solnik, do Jornalistas Pela Democracia." E primeira-dama não tem imunidade alguma: pode ser investigada, julgada e condenada durante o mandato do marido", completa


Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia - A primeira-dama brasileira, Michelle Bolsonaro poderá responder por crime de lavagem de dinheiro se ficar provado que o cheque de R$ 24 mil, depositado em sua conta bancária pelo chefe de gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, o ex-PM Fabrício Queiroz, em 2018 teve origem criminosa.
Já é público e notório que ele movimentava valores obtidos por meio do esquema de “rachadinha”, o que é ilegal.
O fato de o próprio Bolsonaro ter confessado que o cheque se destinava a ele e não a ela não contribui para inocentá-la, pois se o cheque entrou na conta dela e ela o movimentou, a lavagem de dinheiro fica configurada se a origem dele não for legal.
Em vez de ajudar a primeira-dama, a confissão do presidente complica a situação: levanta a suspeita de que usou a esposa como “laranja” exatamente por desconfiar que o dinheiro não tinha origem lícita.
A pena para o crime de lavagem de dinheiro é de três a 10 anos de cadeia.
E primeira-dama não tem imunidade alguma: pode ser investigada, julgada e condenada durante o mandato do marido. 
(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário