terça-feira, 9 de abril de 2019

PGR pede que R$ 2,5 bilhões que Moro e Dallagnol tentaram roubar da Petrobras sejam revertidos para a educação

Em manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu que o dinheiro do fundo de R$ 2,5 bilhões da Lava Jato seja repassado ao Ministério da Educação. A força-tarefa da operação em Curitiba (PR) pretendia criar uma fundação para gerir esses recursos.

De acordo com a chefe da PGR, o acordo firmado entre a Petrobras e as autoridades norte-americanas permite que a cifra bilionária sejam destinada à União, contanto que não ingressem indiscriminadamente no caixa único, pois o acordo veda que a União, como acionista majoritária da Petrobras, aplique a verba na própria estatal, direta ou indiretamente.

"É importante realçar que há mecanismos de ingresso desses valores no orçamento da União, em ações orçamentárias específicas e que não impliquem em transferência, direta ou indireta, para a Petrobras, como, por exemplo, ações orçamentárias a favor do Ministério da Educação", afirma Dodge.



O dinheiro, diz ela, pode servir "para incremento de recursos financeiros nos programas de apoio ao desenvolvimento da educação básica; apoio a infraestrutura para a educação básica, aquisição de veículos para transporte escolar da educação básica, dentre outros serviços públicos que constituem dever constitucional do Estado brasileiro, segundo a Constituição".

A procuradora também ressaltou que é preciso reservar parte dos recursos para eventual indenização de acionistas minoritários da Petrobras no Brasil, "em tratamento de equivalência e reciprocidade em relação ao que já ocorreu sob a jurisdição americana".

Moro ainda era juiz e foi ele quem autorizou o fundo bilionário. Dallagnol iria administrar todo esse dinheiro.

COMENTE: o que você acha que os dois iriam fazer com R$ 2,5 bilhões?


Fonte: Brasil 247
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário