quinta-feira, 18 de abril de 2019

O retrato da nossa miséria é Lily Safra e não o catador que morreu tentando salvar um inocente fuzilado pelo Exército

O retrato da nossa miséria é Lily Safra e não Luciano Macedo, o catador que tentou salvar a família de um músico fuzilado pelo Exército e que acabou morrendo na manhã desta quinta, dia 18.
Luciano é a riqueza de princípios, o sangue azul da nobreza moral, o luxo da abnegação, a opulência da bravura.
Foi baleado por soldados enquanto sua esposa implorava que fosse poupado pelos militares. 
Estava internado desde o dia 7 de abril no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.
Os pedidos de transferência ordenados pela Justiça foram solenemente ignorado.
Levava o nome da mãe no braço, Aparecida, e deixa Daiana Horrara, grávida de cinco meses.
Fez o que tinha que ser feito, foi abatido por isso, será esquecido e ninguém dará seu nome a ruas, escolas, pontes ou viadutos.
É um exemplo de coragem a ser seguido, muito maior que o da famosa Lily Safra, muitos bilhões mais rica que Luciano, quantos milhões de nada na conta bancária.
Dona de uma fortuna avaliada em R$ 5 bilhões, Lily doou R$ 88 milhões para a Notre Dame após o incêndio.
Ex-mulher do banqueiro Edmond Safra e do dono do Ponto Frio — que se suicidou com dois tiros no peito —, amiga do príncipe Charles e de Elton John, Lily não deu um centavo para o Museu Nacional, do Rio.
Por quê?
Porque o museu não existe para Lily e sua gente, são miragens, pulgas, parte de um lugar ao qual ela não mais pertence, que ela não reconhece, invisível como Luciano.
Fitzgerald define os ricos Tom e Daisy, no “Grande Gatsby”, como “pessoas indiferentes”, que “esmagavam as coisas e as criaturas e então se refugiavam em seu dinheiro e em sua vasta futilidade”.
A “caridade” volta na forma de isenção de impostos.
O problema do Brasil é querer se enxergar em Lily enquanto os Lucianos tentam salvar nossa vida.
Fonte: DCM 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário