segunda-feira, 1 de abril de 2019

Josias de Souza: Bolsonaro fez três gols em Israel, todos contra

Jair Bolsonaro desfila em sua visita a Israel uma desastrosa autoconfiança. Sob o comando do chanceler Ernesto Araújo, o Itamaraty revelou-se incapaz de livrar o presidente de problemas. Mas a neo-diplomacia brasileira foi genial na organização da confusão. Numa única viagem internacional, produziram-se três desastres: 


1) Sem debater adequadamente a ideia, Bolsonaro afagara a alma do premiê israelense Benjamin Netanyahu com o aceno de transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém. Deu errado. Em visita a Jerusalém, Bolsonaro anunciou não a abertura da embaixada, mas de um escritório de representação comercial. Houve grande decepção no governo israelense.


 2) O capitão recebera a informação de que sua meia-volta talvez evitasse uma reação dos palestinos. Não colou. A Autoridade Palestina, que torcia o nariz para a hipótese de o Brasil instalar sua embaixada em Jerusalém, manteve a cara feia. Além de condenar explicitamente a abertura do escritório comercial, chamou de volta seu embaixador no Brasil, Ibrahim Alzeben. Para complicar, a ministra Tereza Cristina (Agricultura) teme que a novidade resulte em prejuízos para o agronegócio brasileiro, pois parte do mundo árabe ameaça fazer sua feira noutras freguesias.

3) A coreografia diplomática impôs prejuízos também ao contribuinte brasileiro. Afora a embaixada em Tel Aviv, o Brasil mantém um escritório na cidade palestina de Ramallah, a cerca de 15 quilômetros de Jerusalém. É mais do que suficiente para atender às necessidades diplomáticas da região. Além de tóxica, a nova unidade de Jerusalém é absolutamente desnecessária. Sua abertura constitui uma nova versão do hábito governamental de gastar verba pública como se fosse dinheiro grátis. Quer dizer: em tabelinha com o chanceler Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro chutou três vezes. E conseguiu a proeza de marcar três vezes contra o próprio gol. Decepcionou Israel, irritou a Palestina e desperdiçou recursos tomados dos brasileiros em dia com suas obrigações tributárias.

Fonte: UOL

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário